Reprodução| Facebook
Reprodução| Facebook

Suspeito de tentar sequestrar menino na Paulista é preso

Homem foi reconhecido por moradores da zona norte; ele passará por avaliações psiquiátricas

O Estado de S. Paulo

26 de outubro de 2016 | 20h46

Um homem acusado de tentar sequestrar uma criança na Avenida Paulista, região central de São Paulo, no último domingo, 23, foi preso nesta quarta-feira, 26, depois de ter sido reconhecido por moradores da zona norte da capital. O pai da criança flagrou o momento em que o acusado segura o filho pelo braço e sai andando pela avenida. 

Segundo a Polícia Civil, o acusado foi reconhecido pelos pais da criança e passará por avaliações psiquiátricas. Ele já havia sido internado em um hospital psiquiátrico após tentar invadir o Palácio dos Bandeirantes, de acordo com a polícia. 

O caso. Enquanto filmava a apresentação de uma banda, o pai notou a aproximação do estranho. A criança teria pedido à mãe para ir a uma banca de jornal próxima. A mãe, então, indicou que ela avisasse ao pai aonde iriam. Foi no momento em que o menino se dirigia ao pai que o homem agarrou seu braço e o levou por alguns metros. No vídeo, é possível ver o homem, vestindo um casaco verde, conduzindo a criança, de camiseta azul. 

Ao perceber o incidente, o pai para de filmar a banda e corre atrás do filho. Assim que é abordado, o homem ri e diz que estava apenas brincando. "Que brincadeira é essa, mano?", questiona o pai, já segurando o filho. 

A mãe da criança publicou um texto no Facebook e diz que ficou muito assustada pelo ocorrido. "Fiquei, por um momento, em estado de choque e, claro, já me perguntei porque deixei ele ir sozinho avisar o pai. Mas era uma distância mínima, eu tava olhando, sabia onde tava o pai. Se eu não puder soltar meu filho e deixá-lo dar dez passos em direção ao pai numa avenida toda policiada, realmente, não sei o que estou fazendo aqui nesse mundo."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.