Divulgação/SSP
Divulgação/SSP

Suspeito de matar irmãs em Cunha-SP está na lista dos mais procurados

Ananias dos Santos, de 27 anos, teria assassinado as duas meninas por estra apaixonado por uma delas

Marília Lopes, Central de Notícias

31 Março 2011 | 11h50

SÃO PAULO - O suspeito de assassinar as duas irmãs em Cunha, interior de São Paulo, já está na lista dos mais procurados pela Polícia Civil de São Paulo. Ananias dos Santos, 27 anos, teve sua prisão decretada pela Justiça na última terça-feira, 29, e está foragido.

 

Na segunda-feira, 28, a polícia encontrou os corpos das irmãs J.V.O., de 15 anos, e J.L.O., de 16, em um matagal, a 8 km de onde as estudantes foram vistas pela última vez. Elas estavam desaparecidas desde o dia 23 de março, após descerem do ônibus escolar, no retorno para casa.

 

A teoria da polícia é que Santos era apaixonado pela mais nova das irmãs, apesar de namorar outra pessoa. A companheira do suspeito teria percebido e, enciumada, o incentivado a cometer o crime, como forma de provar seu amor.

 

Santos cumpria pena no Presídio de Tremembé, também no interior de São Paulo, e não retornou após a saída temporária de Páscoa em 2009. A condenação era por assalto, porte ilegal de armas e formação de quadrilha.

 

A lista dos mais procurados de São Paulo tem 25 nomes, dentre eles o ex-médico Roger Abdelmassih, acusado de estupro e que teve a prisão preventiva decretada em dezembro, após tentar renovar seu passaporte. Os acusados pela morte da advogada Mércia Nakashima, o vigia Evandro Bezerra da Silva e o advogado e ex-namorada vítima, Mizael Bispo de Souza, também estão na lista. Edson Bezerra de Gouveia, suspeito do assassinato da supervisora de vendas Vanessa de Vasconcelos Duarte, em fevereiro deste ano, é o terceiro mais procurado pela polícia.

 

A Divisão de Capturas da Polícia Civil disponibiliza canais de comunicação para receber informações dos foragidos. Telefones:(11) 3311-3165; 181 (disque-denúncia) ou procurados@policiacivil.SP.gov.br.

 

Notícia atualizada às 13h20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.