Suspeito de envolvimento na morte de prefeito de Jandira é preso

Walderi Braz Paschoalin foi fuzilado em dezembro do ano passado quando chegava a uma emissora de rádio

Ricardo Valota, estadão.com.br

06 Março 2011 | 04h10

SÃO PAULO - Um criminoso procurado pela Justiça por crime de associação ao tráfico e, segundo a PM, suspeito de envolvimento na morte do prefeito de Jandira, cidade localizada na região oeste da Grande São Paulo, foi preso, por volta das 21 horas de sábado, 5, por policiais militares da 2ª Companhia do 20º Batalhão, em Santana de Parnaíba, município vizinho.

Em patrulhamento pela rua das Amoreiras, no Parque Santana II, após uma denúncia de tráfico de drogas, a PM abordou um ocupante de um Vectra cinza. Portando documento de identidade falso, Camilo Franco dos Santos, o "Nenê Camilo", de 27 anos, foi encaminhado ao Distrito Policial de Jandira. Com ele, os policiais não encontraram armas nem drogas. Morador de Jandira, Camilo seria também membro do Primeiro Comando da Capital - facção que atua dentro e fora das unidades prisionais do estado de São Paulo.

Para se prevenir uma eventual tentativa de resgate, agentes do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) foram acionados e transferiram o criminoso para a Cadeia Pública de Carapicuíba. A Polícia Civil de Jandira não quis passar detalhes sobre a prisão de Camilo.

Morte. O prefeito de Jandira, Walderi Braz Paschoalin, 62 anos, foi fuzilado na manhã de 10 de dezembro de 2010. No momento do crime Paschoalin usava um carro blindado, que naquele dia amanheceu com um pneu furado. Ele saiu de casa no veículo do motorista, que também foi baleado quando ambos chegavam a uma emissora de rádio onde Braz participaria de um programa.

Mais conteúdo sobre:
Jandira violência São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.