Arquivo Pessoal/AE
Arquivo Pessoal/AE

Suspeito de assassinar dentista já havia sido investigado por outro crime

Jônatas Araújo havia comparecido a uma delegacia na cidade em dezembro, depois que o Audi preto de sua mãe foi visto num roubo a residência

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

26 Abril 2013 | 14h40

SÃO PAULO - O Audi A3 preto usado no assalto que terminou com o assassinato da dentista Cinthya Magaly, de 47 anos, na tarde de quinta-feira, 25, em São Bernardo do Campo, já havia sido utilizado em outro roubo no dia 23 de dezembro do ano passado, informou a polícia. Na ocasião, um dos um dos procurados por ter ateado fogo e matado Cynthia, Jônatas Cassiano, de 21 anos, e sua mãe, proprietária do carro, chegaram a ser ouvidos no 5º DP de São Bernardo, mas foram liberados após as vítimas não o reconhecerem como autor. Araújo e mais um suspeito identificado pela polícia são procurados.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na época, três criminosos, descritos como "mulatos" e com a cabeça coberta, praticaram o crime.Como Araújo tem a pele mais clara, sua participação foi descartada.

Entenda o caso. Três criminosos invadiram a clínica odontológica de Cinthya na tarde de quinta-feira, e dois deles roubaram seu cartão de crédito para fazer um saque em um caixa eletrônico. Ao constatarem que a dentista só tinha R$ 30 na conta, eles retornaram ao consultório, atearam fogo na vítima e fugiram - a polícia suspeita que haja um quarto envolvido no crime, que estaria esperando no Audi preto do lado de fora. Araújo foi identificado pelas câmeras de segurança do posto de gasolina onde foi feito o saque.

Cinthya atendia uma paciente - cujo nome não foi divulgado - quando os criminosos apertaram a campainha. Um dos bandidos disse que precisava de atendimento odontológico e a dentista abriu o portão, momento em que os outros dois criminosos invadiram a casa. A paciente ficou com os olhos vendados durante todo o assalto e teve a bolsa, o celular e dinheiro roubados.

Segundo o delegado seccional de São Bernardo, Waldomiro Bueno Filho, a paciente - que não ficou ferida - conseguia ouvir a dentista gritando "não faz isso" e pedindo socorro. "Ela tentou apagar o fogo quando os bandidos fugiram, mas não foi possível. A dentista morreu em menos de três minutos." Retrato faldo de dois suspeitos foi feito pela polícia.

Na madrugada desta sexta-feira um menor foi apreendido em sua casa pela PM depois de uma denúncia anônima. Levado ao 2º DP, ele negou participação no crime mas falou que chegou a ser convidado para o assalto. Disse também que recebeu uma ligação de Araújo dizendo que "tinha dado m.". Depois de ouvido, o menor foi liberado.

Mais conteúdo sobre:
dentista queimada são bernardo do campo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.