Suspeita de contaminação em rio deixa 60% de Sumaré sem água

Acidez da água acima do limite normal fez com que o Departamento de Água e Esgoto (DAE) de Sumaré interrompesse o fornecimento às 7h desta segunda

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

21 Janeiro 2013 | 14h39

CAMPINAS - O fornecimento de água foi interrompido para 60% dos moradores de Sumaré, no interior de São Paulo, na manhã desta segunda-feira, 21, após suspeita de contaminação por fenol na água do Rio Atibaia.

A acidez da água acima do limite normal identificado na captação de água do rio, fez com que o Departamento de Água e Esgoto (DAE) de Sumaré interrompesse às 7h a distribuição de água para mais de a metade dos 241 mil moradores da cidade.

Os bairros mais altos foram os mais atingidos, já que a Estação de Tratamento de Água 2 tem um reservatório que ajudou a fornecer água durante o período em que a água deixou de ser captada. Por volta das 12h, os níveis de acidez da água tinham retornado ao normal e o tratamento foi restabelecido.

O fenol é ácido e é usado na fabricação de nylon e detergentes pelas indústrias. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado (Cetesb) coletou amostras da água para análise e possível identificação do responsável pela poluição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.