Surfista volta ao mar com uma prancha adaptada

O ex-campeão brasileiro de surfe Octaviano Bueno, o Taíu, de 48 anos, resolveu não esperar que o Guarujá melhorasse a acessibilidade para poder voltar ao mar. Vinte anos depois de ficar tetraplégico em um acidente ao surfar em São Sebastião, no litoral norte, conseguiu o feito com uma prancha nada convencional.

Márcio Pinho, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2010 | 00h00

A ideia veio de um amigo surfista, que instalou o berço de seu filho ainda bebê na ponta da prancha para levá-lo para pegar suas primeiras ondas. Taíu, então, seguiu o princípio e pediu uma prancha com uma poltrona no meio.

"Foi incrível voltar a ficar em contato com a água, sentir que estava dentro de uma onda", afirma. A decisão também foi motivada pela realização do curta-metragem Aloha, sobre surfe adaptado, do qual participou.

Taíu lamenta a falta de serviços para pessoas com deficiência no Guarujá. Ele elogia o sistema de ônibus no centro, mas critica o acesso às praias. "As cadeiras especiais não estão sendo usadas. Falta investimento em infraestrutura", lamenta. Para ele, algumas rampas também são obstáculo, pois são muito inclinadas, como a que fica na frente de seu prédio, na Praia de Pitangueiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.