Suposto integrante do PCC é preso com carro roubado em SP

Homem bateu veículo durante perseguição na zona leste; no braço dele há tatuagem que identifica grupo

Daniela do Canto, estadao.com.br

04 Março 2009 | 13h57

Uma breve perseguição policial pela Radial Leste, em São Paulo, terminou com a prisão de um homem identificado como Douglas Martins dos Santos, de 45 anos, no início da noite de terça-feira, 3. Ele dirigia um Honda Fit roubado e bateu em dois carros e um ônibus quando tentava fugir de policiais militares da Força Tática do 51º Batalhão. No braço direito, Santos exibe a tatuagem do número 15.3.3, usado para identificar o Primeiro Comando da Capital (PCC). Os números correspondem à ordem das letras no alfabeto.  De acordo com o cabo Rogério Brentan, os PMs faziam um patrulhamento quando se depararam com o Honda Fit, que andava em alta velocidade entre os carros, no sentido centro da via, próximo ao Viaduto Aricanduva. A viatura deu início a uma perseguição e próximo à estação de metrô do Tatuapé, os PMs deram sinal de parada para o motorista, que acelerou.  Cerca de cinco minutos depois, na altura do número 2.710 da Radial, o Honda Fit chocou-se contra dois carros e um ônibus do Consórcio Plus, que fazia a linha 3686 Jardim São Paulo - Terminal Parque D. Pedro. A frente do Fit ficou destruída e o único ferido foi Santos. O air bag do veículo foi acionado, mas mesmo assim o acusado bateu a cabeça e o joelho direito. Ele foi retirado do carro pelos policiais e levado ao Pronto-Socorro do Tatuapé, onde foi medicado e liberado. Santos portava um alvará de soltura no qual era identificado por 16 nomes diferentes. "A cada vez que ele era preso, ele dava um nome para a polícia", explicou o cabo Brentan. Ele está solto desde janeiro e tem passagens por roubo, furto, receptação e porte ilegal de arma. O acusado também apresentou duas cópias de um documento de identificação chileno, com o nome de Aroldo Pedro de Barros Villaza, de 45 anos. Aos policiais, era teria dito que nasceu no Chile e estava no Brasil desde os 5 anos de idade. Somente no 8º Distrito Policial (Bras/Belém) a polícia, por meio das impressões digitais dele, o identificou como Santos.  Sobre a tatuagem, o suspeito alegou aos policiais que já fez parte do PCC, mas deixou o partido do   15-3-3, a tatuagem no braço do suspeitocrime. "Acho isso difícil porque ninguém deixa o PCC. Quem entra não pode sair", afirmou o cabo Brentan. O roubo O Honda Fit dirigido por Santos foi roubado de um estacionamento na Aclimação, região central da cidade, no último dia 26 de fevereiro. De acordo com informações da PM, na ocasião Santos e um comparsa invadiram o local armados e renderam o vigia. Enquanto Santos dominou o funcionário, o seu companheiro pegou o carro e os dois deixaram o local juntos. O vigia foi localizado e reconheceu Santos como um dos participantes do roubo.

Mais conteúdo sobre:
PCCroubo a carropolíciacrime

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.