Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Suplicy é detido durante reintegração de posse na zona oeste

Segundo a PM, houve desobediência e obstrução à Justiça; mais cedo foi registrado confronto entre policiais e moradores que protestavam

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

25 Julho 2016 | 10h43
Atualizado 25 Julho 2016 | 16h40

SÃO PAULO - O ex-senador Eduardo Suplicy (PT), candidato a vereador em São Paulo, foi detido na manhã desta segunda-feira, 25, durante reintegração de posse na zona oeste da capital, por desobediência e obstrução à Justiça, segundo o capitão Eliel Pontirolli, da Polícia Militar. Suplicy se deitou no chão para impedir uma reintegração de posse que ocorre desde às 5 horas em um terreno ocupado por cerca de 350 famílias há pelo menos três anos na Cidade Educandário, na região da Rodovia Raposo Tavares.

O ex-senador foi retirado à força pelos policiais militares, carregado, colocado em uma viatura e levado para o 75º Distrito Policial (Jardim Arpoador). Suplicy prestou depoimento e foi liberado por volta das 14h20. Outras duas pessoas foram presas.

Ao sair da delegacia, Suplicy disse que se pôs na frente da Polícia Militar pois temia que um possível confronto pudesse terminar com pessoas feridas. "Felizmente nada aconteceu. Todo meu esforço foi para que não houvesse violência", afirmou o ex-senador. "Houve uma preocupação maior depois do que aconteceu comigo. Não houve confrontos maiores."

Resposta. O governo do Estado de São Paulo divulgou uma nota, na tarde desta segunda-feira, 25, em que lamenta a atitude do ex-senador Eduardo Suplicy. A Secretaria da Casa Civil disse que Suplicy se aproveitou "da fragilidade de famílias para tumultuar uma reintegração de posse em cumprimento a uma ordem judicial solicitada pela Prefeitura de São Paulo, dona do terreno". A nota diz ainda que o ex-senador "insistiu na obstrução da via mesmo após negociação".

Reintegração. Mais cedo, houve confronto e troca de tiros entre moradores que protestavam contra a ação e policiais militares. Segundo os moradores, o confronto começou porque uma criança que morava no bairro foi atingida por uma bomba de gás lacrimogêneo, o que causou revolta. Alguns moradores revidaram, queimaram pedaços de madeira e atiraram contra os agentes. Um PM que estava de colete foi atingido.

Um ônibus foi incendiado por volta das 6 horas pelos manifestantes. O coletivo havia sido colocado pelos moradores para impedir a reintegração de posse. Com a chegada da Tropa de Choque da Polícia Militar, eles atearam fogo no coletivo da linha 748R-10 Jardim João XXIII/Metrô Barra Funda. Segundo a São Paulo Transporte (SPTrans), o ônibus já foi retirado do local.

A autarquia informou que cinco linhas municipais tiveram o itinerário alterado por causa dos protestos. Todos os ônibus que circulam pela região  fazem um retorno pelo quilômetro 17 da Raposo Tavares. Moradores do entorno da comunidade precisam andar até quatro quilômetros para chegar à rodovia e pegar um coletivo.

Vizinhos da comunidade acompanham do lado de fora a ação. Os policiais colocaram uma faixa para bloquear a Rua José Porfírio de Souza, que dá acesso ao local. Participam da reintegração homens da Tropa de Choque e das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). 

Estão no local os secretários municipais de Coordenação das Subprefeituras, Luiz Antonio Medeiros, e Negócios Jurídicos, Robinson Sakiyama Barreirinhas, e representantes do Tribunal de Justiça (TJ). "A polícia não abriu espaço para negociação. Não podemos fazer esse tipo de reintegração administrativamente", disse o secretário Luiz Antonio Medeiros.

Por volta das 10 horas, os moradores ainda saiam do local com móveis, como geladeira, fogão, mesas e cadeiras. Eles afirmaram que foram avisados da decisão judicial na sexta-feira, 22, mas que não tinham para onde levar os pertences.

"Meu marido e eu saímos na sexta-feira. Mas não tínhamos onde deixar os móveis, deixamos numa vizinha", disse a dona de casa Tamires Mirna, de 25 anos.

Tamires carrega o filho de 9 meses no colo. Ao lado, outras quatro crianças a acompanhavam - a mais velha delas tem 7 anos.

A auxiliar de limpeza Valdirene Aparecida da Silva, de 38 anos, chegor volta das 12 horas na delegacia para buscar o filho de 22 anos, que está detido. "A polícia disse que ele estava armado durante a reintegração. Eu estava trabalhando na hora, não vi nada. Mas ele é trabalhador, tem dois empregos como entregador", disse.

Em nota, a Prefeitura informou que a área ocupada é municipal e apresenta risco elevado de desabamento, "o que inviabiliza construção de moradia popular". "A Defesa Civil do município estudou a possibilidade de retirar apenas parte dos barracos, mas concluiu que isso colocaria os demais barracos em risco, por causa da fragilidade estrutural do conjunto", informou.

De acordo com a prefeitura, a reintegração de posse é uma determinação judicial e os moradores foram avisados previamente sobre a desocupação. 

"Uma equipe do Serviço Especializado de Abordagem Social (SEAS) está no local para encaminhar as pessoas que tiverem interesse para os serviços da rede socioassistencial. As famílias interessadas nos serviços, como a inclusão no Cadastro Único para programas sociais do governo federal e encaminhamentos para Centros de Acolhida, também podem procurar espontaneamente o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Butantã. na Avenida Junta Mizumoto, 591."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.