'Superpai' segue dando aulas na FEA

Em 1996, o professor Helio Janny Teixeira, hoje com 63 anos, passeava com a família de bicicleta pelo Parque de Everglades, em Miami, quando viu o filho, Alexandre, então com 7 anos, se desequilibrar, cair em um lago e ser mordido por um crocodilo. Com a ajuda da mulher, ele conseguiu tirar a criança da mandíbula do animal.

O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2013 | 02h03

Atualmente, Teixeira segue dando aulas na Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP) e o filho, agora com 24 anos, dá aulas em uma ONG e termina Engenharia de Produção na Escola Politécnica.

Passado tanto tempo, o professor faz questão de dizer que não agiu sozinho e que o salvamento do filho teve a colaboração de toda a família: da filha, que gritou para avisar que o irmão estava na boca do crocodilo, e da mulher, que se aproximou do bicho, assustando-o e fazendo-o soltar a criança. "Não fui eu quem abriu a mandíbula com força, como foi dito na época", diz, recusando qualquer título de herói.

Alexandre quebrou duas costelas e teve hemorragia nos pulmões, mas hoje vive sem sequelas. O incidente serviu para unir ainda mais a família, segundo Teixeira. Ficou, no entanto, um resquício daquele passeio de férias. "Alexandre ganhou um apelido entre os amigos, virou o 'Jaca', de jacaré. E eu sou sempre obrigado a contar a história." / WILLIAM CARDOSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.