Marco Pomarico/AE
Marco Pomarico/AE

Sucesso de público marca a 4ª edição

Chefs enfocam diversidade gastronômica do País

, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2011 | 00h00

Paladar - Cozinha do Brasil

Com as salas de aulas, palestras e degustações lotadas durante os três dias de evento, a quarta edição do Paladar - Cozinha do Brasil foi um sucesso de público. O encontro, no Hotel Grand Hyatt São Paulo, terminou ontem à noite com três aulas de peso.

 

Veja também:

link Acompanhe a página do Paladar

Helena Rizzo, do restaurante paulistano Maní, preparou tubérculos de três maneiras distintas. Alex Atala, do D.O.M., falou sobre a gastronomia brasileira enquanto preparava vários pratos, entre eles trilha, cabeça de garoupa e chibé. Para fechar a noite, o paraense Thiago Castanho, do restaurante Remanso do Peixe, de Belém, mostrou como prepara o pirarucu. Peixe de rio, o exemplar usado na ocasião era tão grande que teve de ser trazido para a bancada por quatro cozinheiros, para encanto dos estrangeiros presentes.

Neste ano, a marca do evento foi a diversidade de regiões brasileiras, representadas não apenas por chefs vindos de Norte a Sul do País, mas também por ingredientes regionais pouco conhecidos nacionalmente e técnicas culinárias tradicionais.

Bem ao estilo do Paladar, os produtos não foram apresentados e saboreados de uma maneira corriqueira, e sim tratados sob um ponto de vista diferente.

Café e vinho se combinaram numa mesma degustação, com resultados surpreendentes. Cachaça e queijo foram o tema de outra prova. Houve degustação de vinhos brasileiros de diferentes safras.

Graças à mudança de formato de algumas partes do programa, o público pôde participar mais ativamente e provar os pratos preparados durante as aulas e workshops.

E, como já virou tradição, os próprios chefs lotaram as salas de aulas com seus bloquinhos de anotação, num importante intercâmbio de ideias, técnicas e receitas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.