Subprefeituras terão mais R$ 132,7 milhões em 2015

Mesmo com o dinheiro extra, aprovado em parecer pela Câmara, orçamento não repõe a inflação do ano

EDGAR MACIEL, O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2014 | 03h00

O relatório final do Orçamento de 2015 da Prefeitura de São Paulo prevê um acréscimo nos recursos das subprefeituras. O parecer, aprovado na Câmara de Vereadores, destina R$ 132,7 milhões a mais, em média, para 32 subprefeituras. Mesmo com o dinheiro extra, o orçamento não repõe a inflação do ano.

Na primeira versão do texto, encaminhado pelo Executivo, foi reservado R$ 1,1 bilhão para as regionais - valor 8,3% menor do que neste ano, que foi de R$ 1,2 bilhão. Com o novo orçamento, o investimento fica equivalente a 2014, mas não corrige o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do período que, se aplicado, elevaria a conta a R$ 1,3 bilhão.

A maior parte do aditivo (R$ 115 milhões) foi retirada de recursos administrativos da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras. “Decidimos realocar os recursos do administrativo para as áreas operacionais das subprefeituras. Elas têm condição de dar uma resposta mais rápida para as demandas dos bairros e fazer as obras necessárias”, explicou o vereador Ricardo Nunes (PMDB).

O distrito de Santo Amaro foi o que mais teve aumento nos recursos - R$ 12,3 milhões (crescimento de 25,2%). As Subprefeituras da Sé, de M’Boi Mirim, de Sapopemba e da Capela do Socorro também tiveram acréscimos importantes. Segundo Nunes, foram as regiões que mais apresentaram demandas extras para obras e investimentos. A votação em primeira instância estava prevista para esta quarta-feira, 3, mas foi cancelada por falta de quórum.

Até a segunda votação, outras emendas podem ser adicionadas.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo orçamento subprefeituras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.