Subprefeitura lacra cassino clandestino e bar na zona sul de SP

Menores compravam bebidas alcoólicas no bar; no cassino foram encontradas 100 máquinas de videopoker

Fabiana Marchezi, estadao.com.br

27 de junho de 2008 | 22h14

A subprefeitura da Vila Mariana, na zona sul de São Paulo, lacrou nesta sexta-feira, 27, um bar que vendia bebida para menores e um cassino clandestino. De acordo com a subprefeitura, a equipe da 2ª Companhia da Polícia Militar, comandada pelo capitão Fouquet, flagrou funcionários do bar Barca do Paraíso, que fica na Rua dos Apeninos, na altura do número 884, no Paraíso, vendendo bebidas alcoólicas para 23 menores nesta manhã.  Após encaminhar os jovens ao 36º Distrito Policial para prestar esclarecimentos, a PM acionou a subprefeitura, que emparedou e multou o estabelecimento. O bar foi multado em R$ 26 mil por comercializar bebidas alcoólicas a menores. Segundo o subprefeito Alexandre Modonezi, é inaceitável que um bar incentive menores de idade a consumirem álcool. "Redobraremos a atenção para fechar todo estabelecimento que insistir em burlar a lei", disse Modonezi. A equipe do delegado Silvio Balangio, da Polícia Civil, flagrou um cassino clandestino no distrito da Vila Mariana. Foram apreendidas cerca de 100 máquinas de videopoker. O estabelecimento, que funcionava em um prédio comercial na Rua Domingos de Moraes, na altura do número 1.293, foi lacrado e emparedado. Este é o terceiro cassino clandestino fechado neste mês. No dia 17, uma casa de jogos que funcionava em Moema também foi interditada e 28 máquinas foram apreendidas. O subprefeito lembra da importância da parceria com as polícias civil e militar em ações como esta. "É importante ressaltar o trabalho conjunto que a Subprefeitura da Vila Mariana vem realizando com as polícias e suas equipes, não apenas neste tipo de ação, mas também em atividades como comércio ambulante irregular e combate à pirataria", afirmou Modonezi.

Tudo o que sabemos sobre:
SubprefeituraVila MarianaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.