Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

STJ concede habeas corpus e manda soltar Gil Rugai

Acusado de matar o pai e a madrasta deve deixar presídio em Tremembé a fim de aguardar livre o julgamento do recurso

Marco Antônio Carvalho e Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2015 | 23h17

O ex-seminarista Gil Rugai, condenado a 33 anos de prisão pela morte do pai e da madrasta, deverá deixar a Penitenciária 2 de Tremembé, no interior de São Paulo, nesta quarta-feira, 2, após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) aceitar pedido de sua defesa e lhe conceder habeas corpus na noite desta terça. Ele está preso desde o início de novembro do ano passado.

A decisão foi tomada pela 5.ª Turma do STJ ao analisar o mérito do habeas corpus, cuja liminar havia sido negada um dia após sua prisão. Dessa vez, o pedido do criminalista Marcelo Feller foi acatado pelo ministro Reynaldo Soares da Fonseca, relator do caso, e acompanhado pela maioria da turma. 

A defesa sustentava que Rugai enfrentava “constrangimento ilegal” em função da ordem de prisão expedida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, que seria “sem fundamento algum”, segundo expuseram no pedido enviado ao STJ. Os advogados destacavam que uma eventual prisão do ex-seminarista só poderia ocorrer após trânsito em julgado do caso, quando não há mais possibilidade de recorrer a instâncias superiores da Justiça. 

Segundo a defesa, o pedido pelo novo júri de Rugai segue tramitando no Supremo Tribunal Federal (STF) e, portanto, a prisão não poderia ter sido ordenada antes de “decisão da mais alta Corte do País”. Em sentença de primeiro grau, a Justiça havia previsto ainda o direito de o ex-seminarista recorrer da condenação em liberdade.

Prisão. Rugai havia se entregado à polícia na manhã de 5 de novembro do ano passado, depois de ter sido informado da ordem de prisão expedida pelo TJ-SP. Desde a acusação de autoria do crime contra seu pai e sua madrasta, em 2004, Rugai permaneceu três anos e um mês preso, sendo 10 meses entre novembro e setembro desse ano, e o restante na fase de instrução do processo.

O publicitário Luiz Carlos Rugai, de 40 anos, e sua mulher, Alessandra de Fátima Troitino, de 33, foram mortos a tiros em 28 de março de 2004 no interior da casa onde moravam em Perdizes, na zona oeste. A promotoria apontou um cenário de brigas familiares em torno de uma produtora de Luiz Carlos, da qual Gil estaria desviando dinheiro. A defesa sustentou sua inocência no júri em 2013, mas ele acabou condenado pela autoria dos assassinatos.


Tudo o que sabemos sobre:
São PauloSTFGiu Rugai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.