Estadão
Estadão

STJ concede habeas corpus a Edinho, filho de Pelé

Edinho teve a prisão decretada na quinta-feira pelo crime de lavagem de dinheiro e associação do tráfico de drogas

Breno Pires e Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

01 de março de 2017 | 18h47

BRASÍLIA - O ministro Antonio Saldanha Palheiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), nesta quarta-feira, 1º, concedeu habeas corpus e suspendeu, por meio de liminar, a prisão preventiva de Edson Cholbi do Nascimento, o Edinho, ex-goleiro do Santos Futebol Clube, filho de Pelé.

Edinho teve a prisão decretada na quinta-feira, 23, pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), pelo crime de lavagem de dinheiro e associação do tráfico de drogas, após o julgamento de um recurso da defesa. Ele se apresentou à Polícia Civil no dia seguinte, sexta-feira, 24, em Santos.

Na decisão, o ministro do STJ argumentou que ainda não foram esgotadas as possibilidades de recursos do réu. Antonio Saldanha Palheiro determinou que Edinho deverá aguardar em liberdade o julgamento final do habeas corpus ou até que não haja mais recursos possíveis na segunda instância, onde se encontra. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal permite a execução penal após a condenação em segunda instância, esgotados os recursos.

"Constato que não houve esgotamento da jurisdição na instância ordinária, uma vez que, conforme informações acostadas na inicial deste remédio constitucional (e-STJ fls. 316/317), o acórdão apontado como coator foi prolatado em 23 de fevereiro de 2017 e ainda não foi publicado, havendo possibilidade de interposição de recursos e de revisão do julgado pela Corte local", disse o ministro.

"Diante dessas considerações, defiro a liminar para suspender os efeitos do acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, Apelação n. 9000037-25.2005.8.26.0477, na parte em que determinou a imediata prisão do paciente, que deverá aguardar em liberdade o julgamento final deste habeas corpus ou o exaurimento da instância ordinária, salvo se por outro motivo estiver preso", determinou.

Na quinta-feira passada, os componentes da Décima Quarta Câmara do Sétimo Grupo da Seção Criminal, do TJ-SP, por maioria de votos, acolheram em parte o recurso da defesa de Edinho, reduzindo-lhe a pena de 33 anos e quatro meses para 12 anos, 10 meses e 15 dias de reclusão, determinando a expedição de mandado de prisão.

No julgamento, também foram sentenciados a pena idêntica: Clóvis Ribeiro, o Nai; Maurício Louzada Ghelardi, o Soldado; e Nicolau Aun Júnior, o Véio ou Nick, que tiveram sanções reduzidas, também com recomendação de expedição de seus mandados de prisão.

O caso. Edinho foi preso em junho de 2005, durante a Operação Indra, do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), com mais 17 pessoas, acusado de ligação com uma organização de tráfico de drogas que atuava na Baixada Santista sob o comando de Ronaldo Duarte Barsotti de Freitas, o Nadinho, que está desaparecido.

Após seis meses em prisão provisória, Edinho foi solto com liminar em habeas corpus concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.