STJ agora diz que bafômetro é dispensável

Uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a possibilidade de confirmar a embriaguez de motoristas por teste clínico - e não apenas pelo bafômetro ou por meio de exame de sangue. Tomada por unanimidade pelos ministros da 5ª. Turma do STJ, a decisão difere de um julgamento recente, ocorrido na 6ª. Turma do tribunal, no qual foi determinado o arquivamento de uma ação penal aberta contra um motorista que se recusou a fazer exame de sangue e teste do bafômetro após ter sido flagrado dirigindo na contramão e com sinais de embriaguez.

Mariângela Gallucci, O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2010 | 00h00

Na decisão mais recente, a 5ª. Turma rejeitou um pedido de habeas corpus feito pelo motorista. De acordo com uma perícia, ele apresentava sinais claros de embriaguez e estava com "vestes em desalinho", "discurso arrastado", "hálito alcoólico", "marcha titubeante", "reflexo fotomotor lento" e "coordenação muscular perturbada". Conforme as informações divulgadas pelo STJ, o motorista teria dito ao perito que havia ingerido apenas três cervejas.

O STJ manteve decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. O motorista foi condenado a prestar serviços à comunidade pelo período de um ano. A Justiça de primeira instância havia inocentado o motorista.

Durante o julgamento no STJ, a ministra Laurita Vaz reconheceu a divergência de entendimento, que precisará ser uniformizado em breve (numa seção conjunta). Para a 6.ª Turma, é indispensável o exame de sangue ou o teste do bafômetro. O ministro Og Fernandes disse até que a exigência está expressa na lei seca e poderia torná-la ineficaz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.