STF nega pedido do Uruguai para extraditar Pareja

Traficante é suspeito de ter cometido os crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de drogas no país vizinho

09 de agosto de 2007 | 20h44

O colombiano Alexander Pareja Garcia, acusado de liderar uma quadrilha internacional de drogas, permanecerá preso no Brasil. Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quinta-feira, 9, o pedido de extradição dele para o Uruguai, onde é suspeito de ter cometido os crimes de lavagem de dinheiro, associação para tráfico e tráfico de entorpecentes, de acordo com o site do STF.  Segundo o órgão, o relator do processo, ministro Sepúlveda Pertence, considerou o artigo 77, inciso 5.º, do Estatuto do Estrangeiro, que impede a extradição do preso caso o pedido se baseie no mesmo crime pelo qual ele responde processo no Brasil.  Aqui, Garcia é acusado de lavagem de dinheiro e associação para tráfico. Ele foi detido pela Polícia Federal (PF), em setembro do ano passado, no Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital. Quanto à suspeita de tráfico de drogas, o ministro do STF relatou que o governo uruguaio não conseguiu apresentar fatos suficientes para comprovar a ligação do colombiano com este crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.