SSP cria comissão para combater ataques a ônibus em São Paulo

Grupo vai ser formado por representantes de sindicatos e pelas Polícias Civil e Militar; ataques motivaram paralisação nesta quarta

O Estado de S. Paulo

05 de novembro de 2014 | 16h53

SÃO PAULO - Após a paralisação dos motoristas de ônibus, que fechou 29 terminais municipais por cerca de duas horas na capital paulista, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) anunciou que vai criar uma comissão para tratar de ataques criminosos contra os coletivos.

O grupo vai ser formado por representantes de sindicatos e pelas Polícias Civil e Militar, diz a SSP. Além deles, a São Paulo Transporte (SPTrans) e a Guarda Civil Metropolitana (GCM), órgãos municipais, também vão ser convidadas. 

De acordo com a SSP, "mortes decorrentes de ações policiais legítimas" estão entre os principais motivos dos ataques contra os ônibus. A secretaria também afirma que a prevenção, feita pela Polícia Militar, e a investigação dos casos, pela Polícia Civil, devem ser reforçadas para combater os casos. "O objetivo é evitar a ação de criminosos, que incendeiam ônibus, alegando ser um protesto", diz, em nota.

Enquanto a PM está responsável por fazer operações nas principais áreas em que os ônibus são incendiados e depredados, o trabalho da Polícia Civil vai receber a ajuda do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic)e do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc).

Na terça, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), havia comentado da necessidade de maior presença policial para melhorar a segurança no transporte público. "Seria importante a mediação com o governo do Estado para ter mais apoio da Polícia Militar, porque os motoristas de ônibus têm problemas de insegurança e trabalham na via pública", afirmou.

Segundo a SPTrans, 119 ônibus foram incendiados na capital paulista neste ano, ante 65 durante todo o ano passado. Já as depredações chegaram a 797 até agora em 2014. Em 2013 inteiro, foram 1.242 casos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.