SPMar alega que licenças emperram obras do Rodoanel

Empresa argumenta que houve 'impacto maior' por causa do tempo para a obtenção da aprovação do entroncamento com a Dutra

Caio do Vale, O Estado de S. Paulo

20 Janeiro 2015 | 03h00

SÃO PAULO - A SPMar informou, por meio de nota, que “o bom andamento das obras está diretamente vinculado à liberação dos projetos e das licenças de passagem por parte de órgãos públicos e de outras concessionárias”. A empresa alegou também que, no último trecho da construção, “além da demora na emissão das licenças ambientais”, houve “um impacto maior por causa do tempo decorrido para a obtenção da aprovação do projeto de entroncamento com a Via Dutra”.

De acordo com a SPMar, “o referido projeto só foi validado em outubro de 2014, 15 meses após o previsto, o que inviabilizou a entrega nos prazos inicialmente estabelecidos”. 

A concessionária também informou que o ramal final do Trecho Leste “já está com 92% do pavimento feito”. 

O texto afirmou que a SPMar é “a maior prejudicada pela não entrada em operação da via”, pois só começará a ser remunerada com o funcionamento dos pedágios do Trecho Leste - que só podem passar a operar com a inauguração completa.

A Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) informou que o “valor da multa pelo atraso na segunda etapa” do Trecho Leste “ainda não foi calculado, o que deve ocorrer somente após a entrega”. Até agora, a SPMar já foi autuada em cerca de R$ 54 milhões “pelo atraso na entrega da primeira etapa do empreendimento”. Além disso, outra multa de R$ 5 milhões, referente a atrasos na entrega de projetos, foi aplicada em setembro. “Dezenas de notificações” também foram aplicadas à SPMar, que resultaram “em outras multas que somam R$ 251 mil”.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Rodoanel Leste

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.