SP vai ter ônibus com ar-condicionado

Sistema será testado em 60 veículos coletivos da capital; empresários não são contrários, mas dizem que equipamento não tem consenso

Caio do Valle, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2014 | 02h02

Ainda neste semestre, a São Paulo Transporte (SPTrans) pretende colocar em circulação os primeiros 60 ônibus com ar-condicionado da capital paulista, que tem uma frota de quase 15 mil veículos. Em várias metrópoles do mundo, incluindo o Rio, esse conforto já se tornou item obrigatório.

Segundo o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, os veículos "fresquinhos" circularão preferencialmente nos corredores exclusivos. "Vamos fazer uma espécie de teste, de piloto. Não significa que o sistema todo vai ter (ar-condicionado)." Na opinião dele, o uso de um sistema de refrigeração interna é uma "tendência", porque "a cidade também está ficando mais quente".

A SPTrans costuma receber reclamações dos passageiros sobre o excesso de calor dentro dos coletivos em certos momentos. "Foi um pedido que fizemos (para as empresas) colocarem alguns ônibus (com ar-condicionado). Foi desencadeado o pedido e alguns (empresários) já se comprometeram, no processo de renovação (da frota), a colocar o ar-condicionado."

Superarticulados. Não se sabe ainda quais corredores receberão a comodidade nem em que mês eles começam a funcionar. Contudo, a SPTans informa que na primeira fase do projeto "serão 50 veículos da Viação Campo Belo e outros 10 da Via Sul", ambas operando na zona sul da capital paulista. Segundo a empresa, "a expectativa é de que os ônibus entrem em linha de produção nos próximos dias".

O modelo de coletivo que receberá ar-condicionado é o chamado superarticulado, com capacidade para 171 passageiros, um dos maiores da frota municipal. Veículos desse tipo (mas sem refrigeração) estão entre os modelos mais modernos da cidade, com piso baixo e sistema interno de microcâmeras, e já circulam em avenidas como a Sumaré.

Mesmo pontual, a medida é vista com bons olhos pelo engenheiro Horácio Augusto Figueira, mestre em Transportes pela Universidade de São Paulo (USP). "Pegar ônibus, metrô e trem sem ar-condicionado é maltratar as pessoas. Mas deve ter um termostato inteligente que regule a temperatura interna conforme a externa, para não ficar frio nos dias frios. Deve-se ter uma temperatura regulada que nem se perceba que o ar-condicionado existe."

Ele também defende que haja um mecanismo que faça a renovação constante do ar, para evitar doenças por contaminação.

Passado. A capital paulista já teve, na última década, uma experiência com ônibus dotados de ar-condicionado (eles ficavam sobre a carroceria). Ainda há cerca de 50 deles rodando, mas os aparelhos estão desligados, explica o presidente do sindicato das empresas de ônibus de São Paulo (SP Urbanuss), Francisco Christovam. "Tivemos mais de 200 veículos no sistema. Estão desligados, porque não há consenso sobre o assunto. Há uma polêmica, porque tem usuário que não gosta e abre a janela, outro pede para desligar porque tem rinite, por exemplo." Ele garante que as empresas não são contra esse equipamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.