SP vai retirar lombadas e valetas que prejudicam o trânsito

Medida é confirmada por secretário de Transportes, um dia depois de a Prefeitura anunciar pacote

Camilla Rigi, O Estado de S. Paulo

14 de março de 2008 | 15h57

O secretário Municipal de Transportes, Alexandre de Moraes, anunciou nesta sexta-feira, 14, mais uma medida para ajudar a melhorar o trânsito. A partir de abril a Prefeitura deve começar a retirar 167 lombadas e valetas que prejudicam o fluxo de veículos nas ruas da cidade. A ação está incluída no pacote anunciado na quinta-feira, 13, mas que ainda não foi detalhado.  VEJA TAMBÉMAcompanhe a situação do trânsito em SP agoraPesquisadores mostram como se forma o trânsito  Para especialistas, caminhões 'dão nó' nas ruasO trânsito, para você, tem piorado? Opine  Entre as medidas está a proibição do estacionamento em algumas vias da cidade. O secretário e o prefeito Gilberto Kassab esclareceram que a restrição será apenas das 5h30 às 7h30 para não atrapalhar o comércio. Além disso, a Prefeitura deve aumentar a restrição ao transportes de cargas e divulgar um mapa com 140 rotas alternativas. Às 19 horas de quinta-feira, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) contabilizou 221 km de congestionamento na capital paulista - o maior registro para o horário desde 2 de junho de 1999, embora a medição atual atinja 46% mais vias. Sete horas antes, Moraes havia anunciado um pacote de medidas para tentar melhorar o trânsito, incluindo restrições às cargas e ao estacionamento de veículos em horários de pico. A ação anunciada pelo secretário, aliás, contradiz uma atitude do prefeito Gilberto Kassab (DEM). Há nove meses, ele vetou o projeto de lei, aprovado pela Câmara, que restringia estacionamento de veículos nas principais ruas e avenidas do centro expandido de São Paulo. "A cidade não está preparada para essa lei", disse Kassab na época. Segundo Moraes, desde que ele assumiu a secretaria, em agosto, um grupo de estudos foi formado e mapeou 19 pontos de estrangulamento. "São locais que precisam de alteração de semáforo, sinalização ou pequenas obras." Um dos pontos citados, que deve entrar em reforma na próxima semana, é o Terminal Varginha, na zona sul. Para chegar ao terminal, os ônibus precisam fazer um retorno que, segundo o secretário, demora 25 minutos. Para economizar esse tempo, serão feitas alterações viárias na região. No período da manhã, o terminal é utilizado por 120 mil pessoas. O mesmo grupo de estudos finaliza um mapa com 140 rotas alternativas que devem ser divulgadas até o fim do mês, de acordo com o secretário. Moraes garantiu, porém, que as alternativas serão adotadas em vias onde já há movimentação de veículos e as áreas residenciais não serão invadidas. A circulação de caminhões também será afetada. Outra medida será o ajuste dos tempos de semáforos em corredores de ônibus para diminuir o tempo no percurso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.