SP vai ganhar rota turística sobre cultura negra

Guia deve ser lançado até o fim do mês; roteiro inclui os Largos do Arouche e do Paiçandu e outros 16 locais com influência afro na cidade

FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2011 | 03h03

Lugares que mostram a história, a cultura e a influência da população negra na cidade de São Paulo já podem ser conhecidos por qualquer paulistano ou turista. Basta percorrer a recém criada Rota Turística Afro-brasileira Luiz Gama.

O roteiro passa pelos chamados territórios negros da cidade dos séculos 18 e 19. São áreas que eram ocupadas pelos negros que ali trabalhavam como carregadores, serventes e quitandeiros. A maioria desses 18 pontos turísticos fica no centro expandido. Eles foram escolhidos a partir de visitas aos locais e de estudo com documentos, livros, jornais e revistas.

Regiões mais distantes, como a zona sul, também foram mapeadas. Consta na nova rota, por exemplo, o Samba da Vela, em Santo Amaro, o terreiro de Candomblé Ilê Alákétu Asé Ibualamo, no Grajaú, e o centro de cultura Asé Ylê do Hozooane, em Parelheiros.

A Rota Afro foi lançada neste mês por causa do Dia da Consciência Negra, comemorado amanhã. O nome é uma homenagem ao escritor, advogado e jornalista abolicionista Luiz Gama, que nasceu em Salvador, mas trabalhou e conseguiu a própria liberdade e a de outros escravos em São Paulo.

O percurso básico começa no Largo do Arouche - onde há um busto de Luiz Gama -, segue para o Largo do Paiçandu - endereço da Igreja Nossa Senhora do Rosário e da estátua da Mãe Preta (homenagem às escravas que educavam crianças na era colonial) -, continua pelo Parque do Ibirapuera - por causa do Museu Afro-Brasil - e vai até o Sítio da Ressaca, que faz parte do Museu da Cidade de São Paulo e onde está sendo instalada biblioteca temática voltada à cultura negra.

"A população negra é invisível em São Paulo. Trazer esses pontos e ícones à tona é uma forma de mostrar aos paulistanos uma cultura que ajudou a formar a cidade e bairros como Vila Madalena e Bexiga", diz a coordenadora da Coordenadoria do Negro (Cone), Maria Aparecida de Laia.

Na internet. Para incentivar a visitação, a Cone, a Secretaria de Participação e Parceria e a São Paulo Turismo (SPTuris) estão editando um guia que começará no fim do mês a ser distribuído em hotéis, agências de viagem e postos de informação turística. A versão digital já está no site www.cidadedesaopaulo.com.

"A rota vai enriquecer nosso turismo e realçar a contribuição do negro para o desenvolvimento de São Paulo", diz o secretário municipal de Participação e Parceria, Uebe Rezeck.

O presidente da SPTuris, Caio Luiz de Carvalho, acredita que a rota terá muita procura. "O turista hoje quer consumir temas, nichos. O roteiro afro será um a mais a ser explorado."

No ano que vem, o plano da Cone é instalar placas indicativas com a história de cada um dos 18 pontos que compõem a Rota Afro. Além disso, devem ser contratados guias especializados no tema para acompanhar os passeios. O roteiro ainda poderá ser ampliado.

A criação da Rota Afro-brasileira Luiz Gama foi oficializada no dia 25, por decreto do prefeito Gilberto Kassab (PSD) publicado no Diário Oficial da Cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.