SP vai ganhar rota turística sobre cultura negra

Guia deve ser lançado até o fim do mês; roteiro inclui os Largos do Arouche e do Paiçandu e outros 16 locais com influência afro na cidade

FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2011 | 03h03

Lugares que mostram a história, a cultura e a influência da população negra na cidade de São Paulo já podem ser conhecidos por qualquer paulistano ou turista. Basta percorrer a recém criada Rota Turística Afro-brasileira Luiz Gama.

O roteiro passa pelos chamados territórios negros da cidade dos séculos 18 e 19. São áreas que eram ocupadas pelos negros que ali trabalhavam como carregadores, serventes e quitandeiros. A maioria desses 18 pontos turísticos fica no centro expandido. Eles foram escolhidos a partir de visitas aos locais e de estudo com documentos, livros, jornais e revistas.

Regiões mais distantes, como a zona sul, também foram mapeadas. Consta na nova rota, por exemplo, o Samba da Vela, em Santo Amaro, o terreiro de Candomblé Ilê Alákétu Asé Ibualamo, no Grajaú, e o centro de cultura Asé Ylê do Hozooane, em Parelheiros.

A Rota Afro foi lançada neste mês por causa do Dia da Consciência Negra, comemorado amanhã. O nome é uma homenagem ao escritor, advogado e jornalista abolicionista Luiz Gama, que nasceu em Salvador, mas trabalhou e conseguiu a própria liberdade e a de outros escravos em São Paulo.

O percurso básico começa no Largo do Arouche - onde há um busto de Luiz Gama -, segue para o Largo do Paiçandu - endereço da Igreja Nossa Senhora do Rosário e da estátua da Mãe Preta (homenagem às escravas que educavam crianças na era colonial) -, continua pelo Parque do Ibirapuera - por causa do Museu Afro-Brasil - e vai até o Sítio da Ressaca, que faz parte do Museu da Cidade de São Paulo e onde está sendo instalada biblioteca temática voltada à cultura negra.

"A população negra é invisível em São Paulo. Trazer esses pontos e ícones à tona é uma forma de mostrar aos paulistanos uma cultura que ajudou a formar a cidade e bairros como Vila Madalena e Bexiga", diz a coordenadora da Coordenadoria do Negro (Cone), Maria Aparecida de Laia.

Na internet. Para incentivar a visitação, a Cone, a Secretaria de Participação e Parceria e a São Paulo Turismo (SPTuris) estão editando um guia que começará no fim do mês a ser distribuído em hotéis, agências de viagem e postos de informação turística. A versão digital já está no site www.cidadedesaopaulo.com.

"A rota vai enriquecer nosso turismo e realçar a contribuição do negro para o desenvolvimento de São Paulo", diz o secretário municipal de Participação e Parceria, Uebe Rezeck.

O presidente da SPTuris, Caio Luiz de Carvalho, acredita que a rota terá muita procura. "O turista hoje quer consumir temas, nichos. O roteiro afro será um a mais a ser explorado."

No ano que vem, o plano da Cone é instalar placas indicativas com a história de cada um dos 18 pontos que compõem a Rota Afro. Além disso, devem ser contratados guias especializados no tema para acompanhar os passeios. O roteiro ainda poderá ser ampliado.

A criação da Rota Afro-brasileira Luiz Gama foi oficializada no dia 25, por decreto do prefeito Gilberto Kassab (PSD) publicado no Diário Oficial da Cidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.