SP teve 70% da chuva esperada para o mês na manhã desta 3ª

Rios Tietê e Pinheiros transbordaram, bairros ficaram sem luz e houve pane na rede de telefones na cidade

Central de Notícias,

08 de setembro de 2009 | 17h13

Marginal do Tietê ficou tomada pela água na altura da Rod. Bandeirantes. Foto: Ernesto Rodrigues/AE

 

Choveu 70% do esperado para todo o mês de setembro na manhã desta terça-feira, 8, em São Paulo. O temporal parou a cidade nesta terça. Este foi o dia mais chuvoso do mês de setembro desde que as medições começaram, em 1943. Os rios Tietê e Pinheiros transbordaram, o trânsito ficou caótico e há registros de vários desabamentos na cidade. Por causa do temporal, houve pane na rede da Telefônica e alguns pontos da cidade e da Grande São Paulo ficaram sem telefone nesta terça. A CET suspendeu as restrições a caminhões em algumas ruas da cidade, mas o rodízio de veículos está valendo. Três pessoas morreram em São Paulo por causa dos desabamentos: duas crianças na zona leste e uma pessoa em Osasco (segundo correção da Defesa Civil Estadual, que havia anunciado duas mortes).

 

Veja também:

mais imagens GALERIA: Imagens da chuva e do caos em SP nesta terça

especial ATENÇÃO: Saiba quais são os pontos de alagamento

blog BLOG: Acompanhe a situação do trânsito na cidade

forum FÓRUM: Você teve problemas para fazer ligações?

lista COMENTE: Twitter do estadao.com.br

mais imagens PARTICIPE: Sofreu com a chuva? Mande sua foto

especial MAPA: Veja fotos do dia de caos na capital

video VÍDEO: Trânsito parado e alagamentos em SP

 

O pico de lentidão foi registrado às 19 horas, quando a CET contava 43 pontos de alagamento e 160 km de trânsito lento. Às 21 horas, a cidade registrava 89 km de trânsito lento. A Marginal do Tietê tem 9 km de lentidão no sentido Castelo.

 

Na Marginal do Pinheiros, as pistas ficaram bloqueadas na altura do Cebolão, no sentido Castelo Branco, por causa de alagamentos. Na Marginal do Pinheiros há lentidão no sentido Castelo. No sentido Interlagos, a pista está bloqueada na altura da Ponte do Jaguaré, devido a pontos de alagamento.

 

O Rio Tietê também transbordou perto das pontes Bandeiras e Atílio Fontana, nos dois sentidos. Por conta dos alagamentos e transbordamento dos rios, o CGE decretou estado de alerta para as duas marginais. A capital continua em estado de atenção por causa do temporal.

 

Desabamento e morte em Osasco

 

Uma pessoa morreu e pelo menos três ficaram feridas em Osasco. Elas foram vítimas de um deslizamento de uma encosta numa área de risco. O acidente aconteceu na Rua Morro do Socó e o Corpo de Bombeiros da região procura outras vítimas nos escombros.

 

A Defesa Civil Estadual de São Paulo voltou atrás e disse que apenas uma pessoa morreu após o deslizamento de uma encosta numa área de risco nesta terça-feira, 8, em Barueri, divisa com Osasco, na Grande São Paulo. Mais cedo, o órgão havia confirmado dois mortes.

 

De acordo com a Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros ainda procura em Osasco outras três crianças que estariam entre os escombros. Quatro barracos do morro do Socó deslizaram com a força das chuvas que atingiram o Estado.

 

Devido a pane que atingiu parte das linhas telefônicas da capital e da Grande São Paulo, os bombeiros não conseguiam confirmar o número exato de feridos em Osasco. Segundo o Corpo de Bombeiros, não era possível fazer contato com os bombeiros que estão no local do deslizamento.

 

Em Itaquera, duas crianças morreram depois que uma casa desabou na Rua Arbela. O acidente aconteceu no começo da tarde. Por volta das 13h30, equipes do Corpo de Bombeiros faziam buscas nos escombros.

 

No Ipiranga, parte do teto de uma loja da Kalunga desabou após uma das paredes ceder, segundo informou Cláudio Salles Júnior, delegado do 17º Distrito Policial. No momento do desabamento, por volta das 11 horas, chovia forte na região. A polícia trabalha com a hipótese de infiltração, mas a perícia técnica que vai apontar os motivos do acidente fica pronta em 30 dias. O Corpo de Bombeiros enviou cinco viaturas para o local. Ninguém ficou ferido e a loja está interditada.

 

Aeroportos

 

Até às 20 horas, das 216 partidas programadas no Aeroporto de Cumbica,  119 (55,1%) sofreram atrasos e 13 (6%) foram canceladas. Dos 17 voos alternados para aeroportos de outros Estados, 10 eram nacionais e 7 internacionais.

 

O mau tempo também refletiu nos voos de Congonhas, que ficou fechada das 10h13 às 11h08 e das 16 horas até às 16h08 e, por medida de segurança, teve 22 voos alternados. Em Congonhas, 98 voos (46%) registraram atrasos. Das 213 partidas programadas, 56 foram canceladas.

 

Pane telefônica

 

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou que exigirá da Telefônica o ressarcimento aos clientes que foram prejudicados pela pane na telefonia fixa em São Paulo. A indenização será proporcional ao tempo que os usuários ficaram sem acesso ao serviço.

 

Fiscais da Anatel estão investigando a causa dos problemas, que começaram por volta das 10h30, depois de forte temporal que atingiu a cidade. O serviço só foi restabelecido às 14 horas, segundo o órgão regulador. A Anatel ainda está apurando as áreas afetadas e a quantidade de usuários atingidos.

 

Raios

 

Com o temporal, a cidade foi atingida por vários raios. Na zona oeste, moradores ficaram sem energia elétrica depois que uma subestação de energia foi atingida por um raio em Pirituba. O raio causou um curto-circuito e atingiu um transformador.

 

De acordo com a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP), o incidente aconteceu às 11h02 e a energia foi totalmente restabelecida 38 minutos depois.

 

Temporal

 

Choveu 74 milímetros na cidade: na zona norte, no Mirante de Santana, foram registrados 50,6 milímetros de chuva, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia. As rajadas de vento no local chegaram a 53 km/h, às 8 e às 9 horas da manhã.

 

A chuva é o resultado da frente fria que chegou a São Paulo e encontrou um ar muito quente, o que facilitou o crescimento das grandes nuvens que provocaram a chuvarada e a ventania. Por volta das 6 horas da manhã desta terça-feira, os termômetros superavam os 20ºC em praticamente todo o Estado.

 

Estas nuvens são conhecidas como cúmulo-nimbo e provocam também os raios. Elas podem se formar em qualquer época do ano, desde que as condições atmosféricas sejam favoráveis. Dois fatores são básicos: muita umidade e calor.

 

Formação de nuvens, na manhã desta terça-feira, que provocaram a tempestade em São Paulo

 

De acordo com a meteorologista Josélia Pegorim, da Climatempo, o calor de 34ºC que fez nesta tarde na região norte do Estado indica que a atmosfera continua explosiva. Nuvens carregadas continuam crescendo em São Paulo até a noite e devem provocar mais chuva forte e ventania.

  

Nesta quarta-feira, 9, a frente fria continua perto de São Paulo e vai manter também a formação de nuvens pesadas por quase todo o Sul do Brasil. A situação de alerta permanece. Os Estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, e principalmente o Paraná e Santa Catarina, ainda poderão sofrer com chuvas intensas e ventos fortes.

 

Ventania

 

Na Baixada Santista, a base área do Guarujá registrou ventos de 87 km/h, por volta das 7 horas. Em Iguape, no litoral sul, os ventos chegaram a 74 km/h. Na região de Campinas, o aeroporto de Viracopos registrou ventos de 74 km/h, ao meio-dia. Houve queda de granizo em cidades da região.

 

Em Itapeva, no sul do Estado de São Paulo, os ventos chegaram a 71 km/h e choveu 66 milímetros entre 5 horas da madrugada e 9 horas desta manhã. Na região de Piracicaba as rajadas chegaram a 64 km/h e também houve queda de pequenos granizos.

 

Na região de Bauru, os ventos chegaram 65 km/h, por volta das 14h30, na região do aeroporto local. Em Ribeirão Preto foram constatas rajadas de 54 km/h, às 15 horas.

 

Texto ampliado às 21h02 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.