SP terá padrão de abordagem para sem-teto

Divulgação de operações de 'tolerância zero' na zona leste motiva reunião na Prefeitura

ARTUR RODRIGUES , BRENO PIRES, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2013 | 02h02

Após o Estado revelar que a Prefeitura e a Polícia Militar realizam uma operação para coibir a presença de moradores de rua, o subprefeito da Mooca, Francisco Carlos Ricardo, e o secretário de Direitos Humanos, Rogério Sotilli, se reuniram ontem à tarde.

A Prefeitura não adiantou se foi tomada alguma decisão sobre a chamada operação 'Tolerância Zero', da subprefeitura com a Polícia Militar, na qual são retirados das ruas colchões e barracas dos sem-teto. Mas a administração deve criar uma padronização de tratamento dos moradores de rua, a ser seguida por todas as secretarias em toda a cidade.

A reportagem esteve na Mooca ontem e flagrou funcionários da subprefeitura levando pertences de pessoas que vivem nas ruas da região. Na frente do Espaço de Convivência Alcântara Machado, uma das tendas mantidas pela Secretaria Municipal de Assistência Social, o funcionário da Prefeitura que coordenava a ação disse que apenas lixo era recolhido.

Douglas de Paula, de 28 anos, que mora nas ruas da região, afirmou que teve documentos recolhidos em abordagem recente da PM de forma truculenta. Já outros sem-teto disseram que a PM apreendeu as carroças que utilizavam para o trabalho de coletar e vender material reciclável. Colchões, cobertores e até mantimentos foram levados, segundo eles.  

 Assista aos depoimentos de moradores de rua:

 

 

 

Três homens confirmaram que tiveram documentos levados pela polícia: Lucas Costa dos Santos, de 26 anos, João Severiano Montenegro Neto, de 45, e Raimundo Gomes da Silva, de 46. A PM informou que só a Prefeitura falaria sobre o assunto.

Reincidência. A conduta não acontece apenas na zona leste. Funcionários já foram flagrados levando pertences dos moradores de rua na Praça da Sé, no fim de março.

A postura não condiz com o discurso do prefeito Fernando Haddad (PT), que se aproximou de movimentos de moradores de rua. O petista prometeu ainda encontrar "soluções alternativas à mera repressão".

O mapa abaixo mostra pontos da zona leste onde moradores de rua estão sendo abordados.

 

Ver Operação Tolerância Zero num mapa maior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.