SP terá morador de rua como pesquisador

Recrutados vão montar um livro com relatos de pessoas na mesma condição; 15 foram selecionados em projeto

LUIZ FERNANDO TOLEDO, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2015 | 02h01

Moradores de rua de São Paulo serão pesquisadores por um ano e montarão um livro com relatos sobre outras pessoas em mesma situação. Um grupo de 15 recenseadores, que receberão um salário mínimo, foi selecionado pela Prefeitura para realizar pesquisas qualitativas em diversas regiões da cidade com moradores de rua, como a Cracolândia, na Alameda Dino Bueno. A capital tem 15.905 pessoas em situação de rua, segundo o último levantamento do Município.

Uma reunião com o grupo foi realizada nesta semana na Secretaria de Direitos Humanos, com o chefe da pasta, Eduardo Suplicy, conforme publicou ontem o jornal Folha de S. Paulo. De acordo com ele, a equipe já está sendo capacitada por psicólogos e pesquisadores. Eles são alfabetizados e têm boa articulação. "São pessoas que há muito tempo convivem na rua e terão um acesso maior aos moradores. Muito mais tranquilo do que, por exemplo, um pesquisador ir lá", disse Suplicy.

O projeto deverá mapear os principais problemas enfrentados por essa população, para pensar em políticas públicas para o futuro. O trabalho final será entregue em formato de livro. "Vai dar mais informações para as Secretarias de Direitos Humanos e Assistência Social, do ponto de vista de como aprimorar a relação da Prefeitura com esses moradores", afirmou Suplicy.

A primeira pesquisa será feita com moradores de rua do Pátio do Colégio, na região central da capital, mas o objetivo é estender o levantamento em toda a cidade. "Queremos saber que tipo de formação essas pessoas têm, se pensam em estudar, se querem fazer um curso técnico", afirmou o secretário.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.