SP terá metrô em 6 estradas até 2030

Bandeirantes, Régis, Fernão, Dutra, Raposo e Anhanguera ganharão linhas e estações; novos ramais terão bolsões de estacionamento

Rodrigo Brancatelli e Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2011 | 00h00

O metrô de São Paulo vai chegar às estradas paulistas. De acordo com o plano de expansão da companhia, obtido pelo Estado, as Rodovias Bandeirantes, Régis Bittencourt, Fernão Dias, Dutra, Raposo Tavares e Anhanguera ganharão linhas e estações entre 2020 e 2030. Esses novos ramais também terão bolsões de estacionamento - a ideia é que os moradores da Região Metropolitana deixem os carros no local e sigam para o trabalho na capital de metrô.        

 

 

Veja também:

link Nova Estação da Luz terá faculdade, hotel ou shopping

link Novas paradas da Linha 4 abrem hoje, das 10h às 15h  

O modelo de estações-estacionamento na beira de grandes rodovias é considerado essencial para diminuir o número de veículos na cidade e estimular o uso do transporte público. Ele será o mesmo já aplicado na Estação Santos-Imigrantes, da Linha 2-Verde. Localizada na Avenida Ricardo Jafet, próxima da Rodovia dos Imigrantes e acesso importante para o litoral, a estação foi inaugurada em 2006 com 231 vagas de garagem - cada uma custa R$ 9,44 por 12 horas, incluindo passagens de ida e volta na rede metroviária. A ideia agora é replicar o modelo para outros pontos de entrada para a capital.

As primeiras nesse modelo que deverão ser inauguradas é a Bandeirantes, da Linha 6-Laranja, e a Taboão da Serra, que será construída como extensão da Linha 4-Amarela. A primeira ficará posicionada na rodovia de mesmo nome, que dá acesso à região de Campinas, e a segunda está planejada na Rodovia Régis Bittencourt - que liga São Paulo ao Sul do País -, na chegada à capital. A data de inauguração prevista para as duas é 2020.

Para 2030, a futura Linha 19-Celeste, que já teve seu projeto enviado para a Assembleia Legislativa, passará por Fernão Dias e Dutra. Outro ramal que está sendo estudado para 2030 é o chamado Arco Norte, que forma uma espécie de "Metroanel" com as outras linhas e também terá seu bolsão de estacionamento na Anhanguera.

Todo esse detalhamento das novas linhas consta da proposta de expansão do Metrô, que explica os investimentos propostos para a rede metroferroviária e as projeções de utilização. Até 2015, segundo a própria companhia, o cronograma do projeto já está garantido, com a verba empenhada. Para o horizonte até 2030, prioridades podem mudar de acordo com a demanda - o estudo, no entanto, serve para nortear a política do Metrô.

Outros locais. Para o superintendente da Associação Nacional de Transporte Público (ANTP), Marcos Bicalho, o conceito é correto, mas é necessário criar fórmulas para incentivar os passageiros a deixar o carro e seguir de metrô. "Uma ideia para isso acontecer é a adoção de pedágio urbano na região central, defendido pela ANTP. Se o motorista souber que vai pagar mais se continuar dirigindo, certamente ele terá mais incentivos para usar o serviço", afirma.

As últimas estações nesse modelo a serem entregues são as da Linha 22, um ramal de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que ligará o Morumbi à região da Granja Viana, seguindo o traçado da Rodovia Raposo Tavares. Essa linha está prevista para 2030. Apenas a Via Anchieta (onde já existe a Estação Sacomã, da Linha 2-Verde) e a Castelo Branco não estão atualmente contempladas por estações-estacionamento. "Se o trânsito na cidade continuar piorando, talvez fique viável se deslocar dessas rodovias para locais onde tenha metrô e deixar o veículo lá", diz Bicalho.

CURIOSIDADES DA EXPANSÃO

Aumento da rede

Hoje com 62 estações e 70,6 km, o Metrô quer chegar até 2020 com 161 paradas e 184,2 km.

Metrô verde

Pelos mapas da companhia, o Parque do Ibirapuera ganhará em sua vizinhança duas estações da Linha 19-Celeste. A USP, no entanto, continuará sem metrô.

Maior oferta

Com novas linhas, a zona oeste será a região de São Paulo mais bem servida por metrô.

Menor oferta

A zona sul, ao contrário, continuará sem grandes novidades além das linhas que já vêm sendo divulgadas há anos pelo governo estadual.

Favelas

Dois ramais de metrô leve de superfície, chamado de VLT, passarão por favelas da capital. A Linha 18-Bronze tem uma estação proposta em Heliópolis, enquanto a Linha 17-Ouro deverá ter uma parada em Paraisópolis. O governo acredita que essas linhas poderão ajudar a urbanizar essas comunidades.

Metrô em condomínios

A rede vai chegar a condomínios da Grande São Paulo, como Granja Viana e Alphaville.

Zona leste

A região vai ganhar a Linha 23-Preta (de Pari a São Miguel) e prolongamentos da futura Linha 6-Laranja (até Cidade Líder) e da 2-Verde (até Cidade Tiradentes).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.