Divulgação
Divulgação

SP terá galeria de fotos dentro de contêiner

Projeto, idealizado por dois fotógrafos paulistas, será inaugurado na capital paulista no sábado e depois passará por mais três cidades

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2015 | 08h00

Atualizado às 14h35 do dia 16/10

SÃO PAULO - São Paulo vai ganhar neste fim de semana uma galeria de fotos itinerante. Concebido dentro de um contêiner de 50 metros quadrados, o espaço fotográfico será inaugurado às 11 horas de sábado, 17, no Largo da Batata, na zona oeste da capital paulista. No fim do mês e até 6 de dezembro, a galeria vai percorrer mais três cidades do interior, com programação gratuita.

“A ideia é levar o que acontece na fotografia dos grandes centros urbanos para regiões que não têm espaço adequado para receber exposições”, afirma o fotógrafo paulista Davilym Dourado, idealizador do projeto junto com a também fotógrafa Tatiana Nolla. Os dois ganharam, em 2014, um concurso promovido pelo governo do Estado de apoio a "projetos de espaços independentes vinculados às artes visuais". Com os R$ 100 mil que receberam, foram atrás da ideia e montaram o contêiner, com a ajuda da empresa de mobiliário Contain[it].

Para organizar e selecionar as imagens da primeira mostra, intitulada “{Conteúdo} paisagem”, os organizadores chamaram o professor e fotógrafo Wladimir Pontes. “O critério foi: selecionar quem tivesse relação com a fotografia contemporânea, que é voltada para o cotidiano e para a vida interior, uma proposta mais pessoal”, afirma Dourado. “O projeto não é comercial, é cultural. Não vamos vender obras nem representar artistas, queremos que sirva de divulgação para novos fotógrafos e novos curadores”, diz.

Entre os nomes escolhidos estão Ana Beatriz Elorza, Daniel Ducci, Fernando Cohen, Flalbert Cecconato, Ilana Bar e Marcelo Marsan. “Mais do que realizar exposições itinerantes, queremos evidenciar a fotografia como forma de expressão pessoal, estímulo à reflexão e à formação de pensamento”, explica Tatiana Nolla.

Para escolher os municípios por onde passariam, Tatiana e Dourado determinaram que as candidatas tinham de ter em média 100 mil habitantes, funcionassem como satélite para cidades ao redor e não tivessem oficinas culturais. As eleitas foram: Itapetininga, Avaré e Ourinhos. Nesses locais, a ideia é fazer happy hours para falar sobre fotografia com artistas locais. A sociedade está convidada a participar das ações, dentro e fora do contêiner.

Confira a programação completa da passagem da galeria itinerante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.