Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

SP terá até 4 redes de aluguel de bicicletas

Paulistano, porém, não poderá retirar bike da área de uma empresa e devolver em outras

Adriana Ferraz e Rodrigo Burgarelli, O Estado de S. Paulo

20 Março 2012 | 22h35

SÃO PAULO - Os sistemas de empréstimo de bicicletas que serão instalados em São Paulo atraem cada vez mais empresas interessadas no serviço de mobilidade. Além de Bradesco e Itaú, que já prometeram colocar ao menos 3,3 mil bicicletas nas ruas da capital, a AES Eletropaulo e a Ambev também afirmaram à Prefeitura que vão apresentar propostas. Como os sistemas vão operar separadamente, os paulistanos não poderão pegar a bicicleta da área de uma empresa e devolver no bicicletário de outra.

O primeiro modelo a entrar em operação deve ser o do Itaú. O banco já opera um sistema parecido no Rio, onde 600 bicicletas estão espalhadas em 60 pontos de empréstimo e os usuários podem checar pela internet e celular qual é o bicicletário mais próximo com bicicletas disponíveis. Hoje, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) autorizou a assinatura do termo de cooperação com o Itaú, o que deve ocorrer nos próximos dias e, após essa oficialização, a previsão de início do serviço é de dois meses.

O acordo, que será válido por três anos, prevê a oferta de 3 mil bicicletas em 300 estações. Segundo a Prefeitura, a distância entre cada uma delas será de 1 quilômetro. O banco deve adotar o mesmo nome do sistema carioca, Samba, mas reduzir pela metade o período grátis para o ciclista: em São Paulo, serão 30 minutos sem custo. O valor excedente ainda não foi definido.

Ciclofaixa. O próximo parceiro a assinar com a Prefeitura deverá ser a Bradesco Seguros, que já coordena a Ciclofaixa de Lazer. Inicialmente, a empresa queria oferecer 300 bicicletas somente aos domingos e feriados, quando a faixa funciona, mas a Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), órgão que analisa o uso de publicidade externa na capital, exigiu que o sistema funcionasse diariamente. Com a mudança, uma nova proposta deverá ser apresentada ao Município.

A AES Eletropaulo e a Ambev fizeram contato inicial com o órgão e afirmaram que vão apresentar propostas, mas não detalharam o número de bicicletas nem o modelo pretendido. Dessa maneira, os paulistanos terão quatro sistema diferentes de empréstimo, que não serão interligados uns aos outros. "Cada um deve ter uma boa capilaridade e estações próximas, para compensar a falta de interligação", afirma Regina Monteiro, presidente da CPPU.

Para contornar essa questão e atrair mais usuários, a Prefeitura já planeja lançar seu próprio sistema de aluguel de bicicletas, mas só daqui a três anos, quando a maioria dos termos de cooperação deverá ter expirado.

"Nesse primeiro momento, estamos autorizando as empresas a instalarem seus sistemas. Mas, daqui a dois ou três anos, quando a população já tiver se acostumado com esse serviço, a ideia é que a própria Prefeitura faça uma concessão para o empréstimo de bicicletas, que aí seria operado por uma só empresa", afirma Regina.

Mais conteúdo sobre:
bike bicicleta

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.