SP tem calor recorde e chuva após 63 dias

No mesmo dia, São Paulo registrou ontem a maior temperatura de madrugada desde 1979 (25,7°C) e a primeira chuva após 63 dias. Os meteorologistas dizem que a cidade terá temporais e rajadas de vento amanhã e o fim de semana será de frio, com temperaturas entre 15°C e 20°C.

CAMILA BRUNELLI, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2012 | 03h07

A virada do clima é consequência da aproximação de uma forte frente fria que vem do Sul. O mesmo fenômeno levou ao Rio Grande do Sul ventos de até 100 km/h e a queda de granizo, que danificaram o telhado de milhares de casas entre a noite de terça-feira e a madrugada de ontem.

"Como estávamos havia mais de 60 dias sem chuva, o interior do Brasil armazenou muito calor. Era necessária uma frente fria mais forte, como essa que chegou, para a mudança de padrão dos ventos", disse o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) Marcelo Schneider.

O vento também chegou ao interior paulista ontem. As rajadas derrubaram árvores e deixaram 16,5 mil casas sem energia em Sorocaba, Salto e São Roque. Também houve danos em Jundiaí, onde 1,7 mil imóveis ficaram sem eletricidade.

Calor carioca. Já o Rio registrou ontem o dia mais quente do ano. Segundo o Inmet, a temperatura chegou a 41,2°C em Santa Cruz, na zona oeste. A sensação térmica foi ainda maior e os termômetros de rua chegaram a registrar 47°C na zona oeste.

As praias ficaram lotadas e foi registrado pelo menos um incêndio em vegetação, facilitado pelo clima seco. O fogo atingiu um trecho de mata na Rocinha, na zona sul, mas foi controlado. O tempo deve mudar hoje no Rio, com queda da temperatura e chuva à tarde. / COLABORARAM ELDER OGLIARI, JOSÉ MARIA TOMAZELA e FÁBIO GRELLET

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.