SP tem 134% mais queimadas; fogo na Cantareira é contido

Entre segunda e terça-feira, 232 focos foram detectados por satélite; incêndio já consumiu 400 campos de futebol em Jundiaí

Felipe Resk e José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2014 | 20h58

SÃO PAULO - Três em cada quatro incêndios enfrentados pelos bombeiros no Estado de São Paulo envolvem queimadas. Só nesta terça-feira, 14, os bombeiros conseguiram controlar o fogo na região do Parque Estadual da Cantareira, mas um forte incêndio ainda tomava a Serra dos Cristais, em Jundiaí. Os incêndios florestais aumentaram 134% em relação a 2013.

“Desde sexta-feira, combatemos 1.003 focos em vegetação no Estado”, afirmou o capitão Marcos Palumbo, porta-voz dos bombeiros. “Em 2014, o número de ocorrências de incêndio aumentou 134%, em relação ao ano passado. Em 2013, houve 60 mil incêndios, 45 mil em área de vegetação e 15 mil em edificações (indústrias e residências).”

Entre a manhã de segunda-feira e a desta terça, 232 novos focos foram detectados por satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Desde janeiro, foram 4.307 focos em São Paulo, mais que o dobro de todo o ano passado - 2.055 focos. Os satélites detectam queimadas com fogo a partir de 30 metros de extensão por 1 metro de largura. Os especialistas atribuem o problema à seca histórica. “A condição climática é essencial e a baixa umidade do ar facilita a propagação do fogo”, observa Palumbo.


Na Cantareira, que começou a queimar no sábado segundo moradores da região, pelo menos quatro focos de fogo persistiram durante o dia. Foi montada uma força-tarefa dos bombeiros, com 40 homens dos grupamentos de São Paulo e Guarulhos, além de 11 técnicos da Defesa Civil e 15 guardas de parque. As equipes usaram abafadores e bombas costais, com 20 litros de água, cada. Paralelamente, três helicópteros Águia da PM também atuavam para conter o incêndio na região. A área atingida soma 300 mil metros quadrados. 

Jundiaí. Até a tarde desta terça-feira, grandes frentes de fogo haviam consumido pelo menos 320 hectares de matas nas serras de Jundiaí, o equivalente a 400 campos de futebol. À tarde, a Defesa Civil informou que o fogo na Serra do Japi estava controlado. Mas na Serra dos Cristais as chamas continuavam avançando sem controle.

Equipes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros de Jundiaí, Cabreúva e Pirapora do Bom Jesus tentavam evitar que o fogo atingisse áreas habitadas. Na serra, próximo de Cabreúva, a frente de combate atingia pelo menos dez quilômetros, na parte mais densa da mata. Já haviam sido queimados cerca de 250 hectares.

Rio. O incêndio florestal iniciado há nove dias na Região Serrana, que já consumiu 300 hectares do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, ameaça zonas residenciais de Petrópolis. Cerca de 2 mil hectares de mata em áreas urbanas já foram destruídos. Até a tarde desta terça, havia pelo menos 20 focos de incêndio no município, um deles próximo de um condomínio de casas. Moradores até esvaziavam caixas d’água para ajudar bombeiros na tentativa de impedir a aproximação das chamas. / COLABOROU FELIPE WERNECK

Tudo o que sabemos sobre:
São PauloSerra da Cantareira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.