SP suporta mais 1.543 prédios até 2012, mostra estudo

Com os investimentos em transporte público previstos para São Paulo até 2012, a estrutura da cidade ainda tem capacidade para suportar, sem transtornos ao trânsito ou consequências ambientais, a construção de mais 23 milhões de metros quadrados nos próximos três anos - o que equivale aos 1.543 prédios residenciais lançados entre janeiro de 2005 e abril deste ano. Entre os anos de 1982 e 2007, em toda a Região Metropolitana, foram construídos em edifícios 82,4 milhões de metros quadrados - 6.728 prédios.

Bruno Paes Manso, O Estado de S. Paulo,

02 de julho de 2009 | 08h49

Os números partem de um estudo encomendado pela Prefeitura de São Paulo à Secretaria de Transportes Metropolitanos do Estado, sob a coordenação do arquiteto e urbanista Cândido Malta. Os dados, inéditos, foram calculados para servir de base para o Município definir a capacidade de adensamento e verticalização de 90 regiões - as chamadas bacias de tráfego - e têm como base o ano de 2005.

Pelas informações de 2005, havia a disponibilidade de 47,6 milhões de metros quadrados em edifícios residenciais (30,5 milhões) e comerciais (17,1 milhões) na capital paulista. Isso significava que até 4 mil edifícios poderiam surgir na cidade sem provocar transtornos. Para verificar a capacidade atual, o Estado cruzou os dados com os registros de lançamentos da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraesp) até abril deste ano. Vale destacar que houve boom histórico de construções na capital a partir de 2007 e atualmente o setor enfrenta as consequências da crise econômica.

Mais conteúdo sobre:
urbanismoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.