JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

SP só tem uma praia totalmente acessível a pessoas com deficiência

Dez meses depois, programa que prometia facilitar a vida de quem usa cadeira de rodas patina; só Bertioga oferece serviço todos os dias

Márcio Pinho, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2010 | 00h00

O Estado de São Paulo só tem uma praia completamente acessível diariamente a pessoas que precisam de cadeiras de rodas - a da Enseada, em Bertioga, no litoral sul. Nas demais, chegar ao mar ainda é um desafio para portadores de deficiência. E, dez meses depois de lançado pelo governo do Estado, o Programa Praia Acessível ainda patina em pelo menos seis das sete cidades.

Apresentado como alternativa para promover a acessibilidade no litoral paulista, o projeto distribuiu cerca de 30 cadeiras anfíbias - equipamentos com grandes rodas, que permitem ao usuário cruzar a faixa de areia e flutuar na água. Boa parte delas, no entanto, hoje está parada ou funciona parcialmente.

Algumas prefeituras e conselhos municipais de pessoas com deficiência reclamam que o Estado "largou" as cadeiras com os municípios e esqueceu de disponibilizar as outras estruturas. Faltam tendas, monitores e banheiros químicos adaptados. Já o Estado diz que o programa previa uma parceria.

Em São Sebastião, no litoral norte, as cadeiras ficam disponíveis nos fins de semana e feriados nas praias centrais da cidade. Em Guarujá, Praia Grande e Ilha Comprida, no litoral sul, as cadeiras hoje estão guardadas. Já em Ilhabela, é preciso agendar horário. E o voluntário Alexandre Marques, de 41 anos, é o responsável pelo programa funcionar aos domingos em Santos. "É tudo na base da boa vontade. Não temos ajuda. Fica difícil assim", afirma.

Ao lançar o programa, a Secretaria Estadual da Pessoa com Deficiência afirmou que as cadeiras estariam disponíveis de terça-feira a domingo. "Por que só posso ir à praia no domingo?", pergunta Luciano Marques, representante na Baixada Santista do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Segundo ele, as prefeituras da região aprovaram uma verba de R$ 1 milhão para comprar nove esteiras - uma para cada cidade da Baixada Santista -, que deverão facilitar o trânsito das cadeiras de rodas na areia.

Santos tem até iniciativas próprias. Instalou nas praias do Boqueirão e Gonzaga plataformas de madeira que levam os cadeirantes até perto do mar. No entanto, com frequência o equipamento fica coberto de areia. A prefeitura diz fazer manutenção após ressacas do mar.

Aos 30 anos, a jornalista Laís Serrão usa cadeira de rodas e faz fisioterapia no Boqueirão. Ela diz que também gostaria de poder usar a cadeira anfíbia todos os dias. "É uma sensação maravilhosa. Gostaria de entrar diariamente. Pena que não posso."

Bom exemplo. E o que fez de Bertioga um bom exemplo? Lá, a prefeitura fez uma parceria com o Sesc local. Uma tenda com monitores e cinco cadeiras especiais fica aberta diariamente das 8h às 15h. O Sesc, que fica na beira da praia, tem outros itens de acessibilidade, como rampas e piso tátil. Para as entidades que atuam no setor, a iniciativa de Bertioga é pouco para um Estado com 15 cidades com praias.

VIRADA INCLUSIVA

Para celebrar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, ocorre hoje em SP a Virada Inclusiva. Confira os destaques:

Esportes

Gincana Maluca Sobre Rodas da organização não governamental Atitude Paradesportiva. No Parque Villa-Lobos, às 9 horas.

Ativismo

Passeata das ONGs Superação e Mais Diferença. Sairá da Praça da República às 11 horas e seguirá até o Vale do Anhangabaú.

Música

Shows com NX Zero, Luiz Melodia, Baby do Brasil e banda Quebra-Cabeça no Anhangabaú. Começa às 13 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.