SP só registra mais homicídios do que outros 3 Estados

Principal centro econômico do País não lidera nem em crimes contra o patrimônio, como roubos

O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2011 | 03h04

O Estado de São Paulo voltou a apresentar bons resultados no Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e ficou na 24.ª posição entre os mais violentos do País, com taxa de 10,5 assassinatos por 100 mil habitantes. Tiveram menos assassinatos que São Paulo, proporcionalmente, somente Piauí (7,7), Santa Catarina (4,3) e Amapá (3,9).

No caso dos crimes contra o patrimônio, São Paulo volta a se destacar - mais pela calamidade dos outros Estados. Apesar de ser o centro econômico nacional, ficou em segundo lugar, atrás da Bahia, em números absolutos de roubo a instituições financeiras, com 207 casos. Quando se considera a taxa de roubo a bancos por 100 mil habitantes, fica empatado em 8.º lugar com Sergipe e Santa Catarina (0,5 casos por 100 mil).

Em relação a todos os tipos de roubo somados (a instituições financeiras, cargas, veículos e outros), São Paulo fica na quinta posição. Brasília lidera, seguida de Sergipe, Amazonas e Rio de Janeiro. O Estado lidera no absoluto, no entanto, nos casos de roubo a veículos. São 166 casos por 100 mil habitantes, enquanto o segundo lugar, Rio de Janeiro, registra 125 por 100 mil.

A violência da polícia paulista também chama a atenção nos registros, apesar de ficar abaixo do Rio de Janeiro em números absolutos. No ano passado, morreram em supostos confrontos com policiais 510 pessoas, enquanto a polícia fluminense matou 855 pessoas. Mais uma vez, neste caso, a Bahia é destaque negativo. No Estado, morreram 305 pessoas em supostos confrontos, o que a coloca à frente de São Paulo e abaixo do Rio quando é considerada a taxa por 100 mil habitantes.

"O sucesso de São Paulo está relacionado a duas linhas principais de políticas públicas. De um lado, o aumento do número de presídios permitiu esvaziar as delegacias e melhorar o trabalho de investigação da Polícia Civil. De outro, a Polícia Militar passou a trabalhar com novas tecnologias, o que a permitiu chegar mais rapidamente aos locais do crime e diminuir a sensação de impunidade", analisa o delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro.

Com 163 mil presos em 2010, São Paulo abriga uma em cada três pessoas presas no Brasil, cuja população carcerária é de 445 mil pessoas. O segundo lugar fica com Minas Gerais, com 37 mil. A disparidade dos investimentos paulistas no sistema penitenciário em relação aos demais Estados também fica evidente ao se comparar a proporção de presos em relação ao total de vagas. São Paulo ocupa a oitava posição, com 1,7 preso por vaga, empatado com outros dois Estados. A situação de Pernambuco é a mais dramática, com 2,4 presos por vaga. /B.P.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.