Alex Silva / Estadão
Alex Silva / Estadão

Entenda os protocolos para reabertura parcial de bares, restaurantes e salões de beleza em São Paulo

Capital está na fase amarela do Plano São Paulo e serviços tiveram autorização para voltar a funcionar nesta segunda-feira, 6

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2020 | 07h53

A capital paulista volta a reabrir nesta segunda-feira, 6, de forma parcial, bares, restaurantes e salões de beleza. A cidade e a região do ABC e o sudoeste da Grande São Paulo estão na fase amarela do Plano São Paulo, que permite a retomada gradual de atividades econômicas. No sábado, 4, o prefeito Bruno Covas (PSDB) assinou com entidades setoriais as regras que permitem o funcionamento dos estabelecimentos, seguindo também as determinações do Centro de Contigência contra a Covid-19, do governo do Estado. Veja como fica o funcionamento desses locais na capital paulista.  

Bares e restaurantes

  • Bares e restaurantes podem voltar a funcionar com horário reduzido, de seis horas, e somente até às 17 horas;
  • Durante a fase amarela, está proibido o atendimento a clientes que estejam consumindo os produtos nas calçadas;
  • A ocupação máxima nos estabelecimentos pode ser de 40%; 
  • As mesas, que não poderão ser ocupadas por mais de seis pessoas, devem ter 2 metros de distância entre elas e as cadeiras distância de pelo menos 1 metro; 
  • Os clientes só poderão consumir os alimentos dentro dos estabelecimentos se todos estiverem sentados, seguindo corretamente as recomendações de higiene; 
  • O uso de máscara é obrigatório tanto por clientes quanto por funcionários; 
  • As portas e janelas deverão estar preferivelmente abertas, privilegiando a ventilação natural. Em caso de ambientes climatizados, os estabelecimentos devem garantir a manutenção dos aparelhos de ar condicionado; 
  • Os cardápios deverão ser disponibilizados por meio de plataformas digitais (site do estabelecimento, menu digital via QR Code ou aplicativo) ou cardápios de grande porte e visibilidade dispostos nas paredes do estabelecimento, como lousas, quadros e luminosos; 
  • Os restaurantes que atuam com a opção de self-service e com sistema de pedidos para consumo no interior do estabelecimento devem disponibilizar garçons e colaboradores para servir os clientes devidamente paramentados com equipamentos de proteção individual.

Salões de beleza

  • A ocupação máxima pode ser de 40% da capacidade e esses estabelecimentos podem funcionar por seis horas;
  • O atendimento aos clientes deverá ser feito exclusivamente por meio de agendamento, evitando filas de espera e de maneira individualizada;
  • Sempre que possível, o atendimento precisa ser feito em cabines individuais, por um profissional por vez e os clientes não poderão estar acompanhados por outras pessoas;
  • É obrigatório o uso de máscaras;
  • É obrigatória a adoção de protocolos específicos de higiene e distanciamento; 
  • Poderá também ser implementado um horário exclusivo de atendimento para clientes acima de 60 anos ou que são do grupo de risco;
  • Os funcionários deverão utilizar touca, máscara reutilizável e óculos de proteção ou protetor facial, gorro, avental impermeável de mangas longas e luvas para tratamentos;
  • Tanto as barbearias quanto os salões de beleza deverão lavar os cabelos e orelhas dos clientes antes de iniciar o corte de cabelos para minimizar a possibilidade de contaminação;
  • As esmalterias devem diminuir a quantidade de esmaltes expostos; usar luvas; higienizar a poltrona e a mesa de atendimento a cada cliente;
  • A distância mínima entre estações de trabalho deve ser de 2 metros, devendo serem utilizadas de modo intercalado, se necessário, e a distância entre os clientes de pelo menos 1,5 metro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.