Paulo Liebert/AE 19/01/2011
Paulo Liebert/AE 19/01/2011

SP quer espalhar pela cidade alarmes para avisar sobre enchente

Equipamentos seriam instalados em áreas mais críticas, mapeadas com a população. Estudo da Defesa Civil é preliminar

Marici Capitelli, Jornal da Tarde

29 de setembro de 2011 | 09h07

A Prefeitura estuda adotar um sistema de alarme para avisar a população em caso de risco de enchentes e deslizamentos. O trabalho ainda é incipiente e por enquanto os 31 coordenadores distritais da Defesa Civil vão mapear, com os moradores, áreas onde os equipamentos podem ser instalados. O levantamento foi pedido pelo secretário municipal de Segurança Urbana, Edsom Ortega.

A Defesa Civil informou que, como o estudo é preliminar, não é possível saber se a implementação acontecerá na temporada de chuvas deste ano. A cidade tem, segundo levantamento do governo municipal, cerca de 2 mil famílias morando em áreas de elevado risco. 

O líder comunitário José Jaílson da Silva, da Associação de Moradores do Jardim Arizona, na zona sul, conhece de perto a vida nesses locais. No Jardim Bananal, há áreas classificadas em risco 4 (iminente) pela Defesa Civil. Ontem, começou o cadastramento de 500 famílias que devem ser retiradas antes da temporada de chuvas. “Não sei como funcionaria esse alarme, mas a preocupação seria para onde levar as pessoas em segurança. Elas podem ir para outro local perigoso.”

Sandra Irene Momm, professora de Planejamento Ambiental nos cursos de Políticas Públicas e Engenharia Ambiental da Universidade Federal do ABC (Ufabc), argumenta que o alarme em caso de deslizamento é útil e pode salvar vidas. “Nessas áreas, a intervenção tem de ser muito rápida.” Quanto aos alagamentos, ela diz que são necessários planos mais elaborados, em que a população possa receber orientação segura de rotas de fuga. “Tem de existir também uma organização do sistema de transporte para que não se fique parado no alagamento.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.