SP projetou banco em 2010

Em setembro de 2010, a Polícia Científica de 16 Estados e do Distrito Federal começou a montar um protótipo de banco de dados nacional. Para pôr em funcionamento seu banco e passar a incluir nos computadores dos sistemas os perfis genéticos, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo chegou até a publicar norma no Diário Oficial. Mas faltava a lei federal.

O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2012 | 03h01

Antes da lei federal, o banco de perfis só poderia utilizar material coletado de voluntários. Agora, contará obrigatoriamente com perfis de condenados e de pessoas investigadas - conforme ordem judicial. O mesmo programa automático de comparação de DNA do banco de perfis poderá, por exemplo, ser usado para identificar vítimas de acidentes aéreos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.