SP: Prefeitura confirma afastamento de 5º fiscal suspeito de corrupção

Exoneração de servidor saiu publicada neste sábado no 'Diário Oficial' da cidade

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

02 Novembro 2013 | 14h26

SÃO PAULO - A Prefeitura confirmou neste sábado, com uma portaria publicada no Diário Oficial da Cidade, a exoneração do auditor fiscal Fábio Camargo Remesso do cargo de assessor técnico da Coordenação de Articulação Política e Social da Secretaria de Relações Governamentais.

Conforme a edição impressa do Estado deste sábado, as investigações em curso, sobre o esquema de sonegação do Imposto Sobre Serviços (ISS) que pode ter causado prejuízo de até R$ 500 mihões aos cofres municipais, apontam que o servidor operava um esquema paralelo de cobrança de propina, também ligado ao auditor Ronilson Bezerra Rodrigues, preso na quarta-feira com mais três fiscais.

As investigações apontam que o servidor, conhecido como Fabinho, cobrava propina da construtura Alimonti enquanto esteve na Secretaria Municipal de Finanças.

Nas negociações que envolviam Remesso e Rodrigues, os outros apontados pelo Ministério Público como parte do esquema ficavam de fora na hora de dividir os lucros.

Funcionário de carreira da administração municipal, ele assumiu, no início no ano, a chefia de gabinete da SMADS, cuja titular é Luciana Temer (PMDB), filha do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB).

Em 26 de junho, foi exonerado a pedido. Com indicação do vereador Nelo Rodolfo (PMDB), ele assumiu o cargo de assessor técnico da Coordenaria de Articulação Política e Social, cujo titular é o petista João Antonio.

Quando era auditor fiscal na Secretaria Municipal de Finanças, chegou a substituir Ronilson Bezerra Rodrigues no cargo de subsecretário da Receita. No início do ano, Remesso foi designado pela Prefeitura para acompanhar a execução das contrapartidas sociais atribuídas ao Sport Club Corinthians Paulista relacionadas a uma ação civil pública a respeito da construção do Estádio do Itaquerão, na zona leste da capital.

O salário dele na pasta de Relações Governamentais é de R$ 19,9 mil. Ele era pré-candidato a deputado estadual, com base eleitoral na zona norte de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.