SP não sabe quantas árvores são plantadas

Prefeitura fala em 1,3 milhão de mudas desde 2005, mas fiscalização não é suficiente

DIEGO ZANCHETTA, RODRIGO BURGARELLI , O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2012 | 03h04

O site oficial da Prefeitura de São Paulo divulga que mais de 1,3 milhão de mudas de árvores foi plantado entre 2005 e 2010. O mesmo número foi exaltado em cartilhas municipais e propagandas do governo. Não é possível afirmar, porém, que esse número é real. Segundo relatos de administradores municipais, não há fiscalização oficial para saber se os plantios ocorreram ou se as mudas viraram árvores.

O descontrole na contabilidade do programa de arborização urbana da capital foi detalhado pelo atual chefe de gabinete da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, Carlos Roberto Fortner. Ele é ex-representante do Departamento de Parques e Áreas Verdes (Depave) no Conselho Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Cades) e presidiu uma das seções do conselho no meio deste ano. A reportagem também circulou por vias da cidade onde mudas foram plantadas entre os anos de 2007 e 2009 e constatou que boa parte delas não vingou.

As atas da reunião do Cades ocorrida em 21 de setembro foram publicadas no Diário Oficial da Cidade em dezembro deste ano. Nelas, a representante de uma ONG da região sul da cidade perguntou ao presidente do conselho quanto do 1,3 milhão de mudas plantadas realmente virou árvore e exerce hoje função ambiental nas ruas da capital. Fortner respondeu que todo empreendedor, ao solicitar autorização para cortar árvores, é obrigado a plantar mudas de compensação, mas admite que não há fiscalização caso a caso.

"Não é tão fácil de fiscalizar tudo isso aí, a gente imaginar uma fiscalização de 500 mil árvores em um ano ou um milhão e tantas nos últimos 12 meses (...). É humanamente impossível, não tem corpo fiscalizatório (sic) suficiente para isso", afirmou. Além disso, Fortner admitiu que o ganho ambiental desses plantios só será sentido daqui a 10 ou 15 anos - tempo necessário para a muda formar uma copa grande que absorva oxigênio. "Isso vai ter um resultado a médio e longo prazos", disse.

Plantio virtual. Segundo especialistas, a morte de mudas plantadas antes que virem árvores é algo comum se não há acompanhamento. No verão entre 2009 e 2010, por exemplo, cerca de 266 mudas foram plantadas pela Subprefeitura da Mooca na região do Belenzinho. A reportagem percorreu as mesmas vias e constatou que pelo menos 25 canteiros estavam vazios. "As crianças passam aqui e arrancam as mudinhas. E ninguém da Prefeitura já voltou para ver se a árvore vingou ou não", afirma a cozinheira Rose França, de 46 anos, que mora na Rua Catumbi. A uma quadra dali, na Rua Marcos Arruda, duas mudas estão secas e quase mortas após um carro ter subido no passeio e as arrancado do solo. Os moradores fizeram o replantio e escoraram os caules, mas afirmam que nenhum funcionário da Prefeitura voltou ao local.

De acordo com o ambientalista Carlos Bocuhy, a falta de fiscalização e acompanhamento do crescimento ocasiona o chamado "plantio virtual". "A Prefeitura alardeia esses números, mas qual é o reflexo disso para a cidade? Era melhor se tivéssemos um número menor, mas que correspondesse ao que vemos nas nossas avenidas", afirma. Segundo ele, o ideal é que houvesse uma política de planejamento ambiental para acompanhar o processo de plantio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.