Divulgação
Divulgação

SP leva 50% dos grandes prêmios da Mega-Sena

Entre as 20 cidades 'mais sortudas' pelo ranking da Caixa, metade fica no Estado

Edison Veiga e Paulo Sampaio, de O Estado de S.Paulo,

23 Outubro 2011 | 03h01

Das 20 cidades que levaram os maiores prêmios da história da Mega-Sena, metade fica em São Paulo. A sequência desse hipotético mapa da sorte - fornecido pela Caixa Econômica Federal ao Estado - traz Paraná (com três cidades) e Minas (com duas). Os outros Estados sortudos, todos com uma cidade vencedora, são Espírito Santo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Bahia, além do Distrito Federal.

Além de mudar a vida dos felizes ganhadores, essas fortunas também servem para levar fama às cidades dos vencedores, sobretudo quando são pequenas e quase desconhecidas. O maior prêmio individual da história da Mega-Sena, por exemplo, de R$ 119.142.144,27, sorteado há um ano, saiu em Fontoura Xavier, cidade gaúcha de 11 mil habitantes a 190 km de Porto Alegre.

"A gente ganha em número de apostadores, que aparecem querendo tentar a sorte no mesmo lugar", conta Paulo Sérgio Pedroso, dono da Lotérica Boa Sorte, onde foi feita a aposta milionária. Graças ao aumento de apostadores em sua loja, ele conseguiu bater já em junho a meta de vendas anual da lotérica, estabelecida pela Caixa, que desde 1962 administra as loterias.

E os holofotes não pararam por aí. A confusão que se seguiu ao anúncio do megaprêmio deu quase tanta audiência a Fontoura Xavier quanto a personagem Griselda, que é interpretada por Lília Cabral (foto abaixo) na novela das 21h da Globo, Fina Estampa, e ganha na loteria. Já o sortudo de Fontoura Xavier foi acusado de fraudar o bilhete premiado. Disseram que ele o havia trocado por outro de um concurso anterior e entregado o premiado a alguém de fora do bolão de 11 pessoas. Assim, só precisaria rachar o prêmio com uma pessoa. Resolvido o imbróglio, o ganhador sumiu sem deixar pistas. "Ele já era rico, dono do único frigorífico da região, e tinha políticos na família. Parece que foi morar em Porto Alegre", especula Pedroso.

Já Griselda vai esfregar o prêmio na cara de sua rival rica, Tereza Cristina. "Se eu sumisse com a personagem principal, acabaria a novela", diz Aguinaldo Silva, o autor da novela.

Tema recorrente. E não só ele aborda o tema em sua trama. No ar desde maio, Vidas em Jogo, da Record, conta a história de um grupo de amigos que fatura R$ 200 milhões no bolão. E a própria Globo repete a dose na novela Aquele Beijo, que estreou no dia 17 no horário das 19h e também tem um sortudo no enredo. Sebastião tem um sonho e decide apostar a sorte usando os números da data de nascimento de seu pai.

Fora da ficção, tem gente que descobriu no sonho alheio de ficar milionário um jeito de ganhar dinheiro. Luiz Henrique Ferrari é o autor do Livro da Mega Sena, em que orienta jogadores. "Dou 19 opções de jogos, todos com as dezenas já combinadas. O apostador terá apenas o trabalho de copiar nos volantes da Mega-Sena e pagar na lotérica o jogo de sua preferência", explica ele, que não é matemático nem estatístico, muito menos já ganhou na Mega Sena - o máximo que conseguiu foi uma quadra, em 2002.

Dor de cabeça. Se pretendia ficar rico com o livro, também não teve êxito. Vendeu, em 20 anos, 2 mil exemplares. Ele até pede ao repórter para não divulgar o telefone, porque o retorno é "só dor de cabeça, nada lucrativo".

Segundo Luiz Henrique, ele até hoje paga (mais do que ganha) por ter enveredado pelo ramo da "estatística megassênica". Alguém fez uma aposta em sua cidade - Terra Roxa, no Paraná, a 100 quilômetros de Cascavel - e ganhou. Foi o que bastou para muitos acreditarem que o ganhador só podia ser ele. "Mas a pessoa desapareceu e muita gente achou que eu estava escondendo o prêmio. Teve gente que até deixou de falar comigo e atravessa a rua quando está na mesma calçada", lamenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.