SP investe R$ 1,4 milhão para evitar cheia do Tietê

Até o final de dezembro, deverá ser retirado do fundo do rio cerca de 27 mil metros cúbicos de sedimentos

22 de novembro de 2007 | 14h33

O governo do Estado aplicará mais de R$ 1,4 milhão para retirar cerca de 27 mil metros cúbicos de sedimentos depositados na foz dos córregos Aricanduva, Cabuçu de Cima, Tiquatira Novo e Tamanduateí, todos afluentes do Rio Tietê.  A limpeza, que será realizada nos próximos 39 dias, deverá aumentar a vazão do Tietê e, conseqüentemente, diminuir os reflexos das cheias no período das chuvas. Segundo o superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), Ubirajara Tannuri Felixa, a empresa vencedora do processo de licitação será responsável pela retirada de 1,8 mil caminhões de dejetos das águas do Rio Tietê. De acordo com o governo, outra intervenção ainda este ano será realizada em pontos considerados críticos nas margens do Ribeirão Vermelho, em Osasco, na Grande São Paulo. O desassoreamento será feito no trecho entre a Rua Luís Rinck e a foz do Ribeirão Vermelho com o Rio Tietê, numa extensão de quatro quilômetros. Os técnicos do DAEE estimam a retirada de pelo menos 32,6 mil metros cúbicos de sedimentos, o equivalente a 2,2 mil caminhões basculantes carregados.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio TietêAssoreamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.