SP ganha 3 reservas de conservação de animais e plantas

O Estado de São Paulo vai ganhar três Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) - unidades de conservação de espécies significativas da fauna e flora. Os decretos que criam 56,37 hectares de áreas protegidas - o equivalente a cerca de 56 campos de futebol - serão assinados hoje pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2013 | 02h03

As RPPN são áreas de relevância natural e ambiental onde proprietários se comprometem a preservar para fazer pesquisas científicas, atividades de educação ambiental e, possivelmente, exploração turística.

A RPPN Parque do Zizo, em São Miguel Arcanjo, tem 9,1 hectares, mas faz parte de uma área maior, com cerca de 300 hectares, já preservada pela família de Francisco Fogaça Balboni.

A unidade fica na Serra de Paranapiacaba e faz divisa com o Parque Estadual de Carlos Botelho, habitat de espécies raras, como mono-carvoeiro e onça-pintada. O parque nasceu para preservar a memória de Luiz Fogaça Balboni, o Zizo, militante morto na ditadura.

Já a RPPN Reserva do Jacu, com 3,5 hectares, fica em Atibaia e integra a Área de Proteção Ambiental (APA) do Sistema Cantareira. Já a RPPN Reserva dos Muriquis, com 43,7 hectares, em São José dos Campos, faz parte da APA São Francisco Xavier.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.