Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

SP faz blitz contra a venda de bebida alcoólica a menores

Fiscalizações serão feitas durante o dia e a noite em áreas próximas de faculdades na capital e no interior paulista

CHICO SIQUEIRA , Especial para O Estado

05 Março 2015 | 16h37

BAURU - A Secretaria da Saúde anunciou nesta quinta-feira, 5, que vai iniciar, a partir desta sexta uma grande fiscalização contra estabelecimentos comerciais, localizados próximos de faculdades e universidades, que vendem bebidas alcoólicas a menores de 18 anos.

Segundo a secretaria, cerca de 4,5 mil agentes vão fiscalizar esses estabelecimentos para verificar o cumprimento da lei que proíbe a venda de bebidas a menores, válida desde 2011. As blitze serão feitas por fiscais à paisana, durante o dia e a noite, na capital paulista e cidades universitárias, como Bauru, São José do Rio Preto, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Santos, Marília, Ribeirão Preto, Botucatu, Presidente Prudentes e outras.

De acordo com a diretora do Centro de Vigilância Estadual, Maria Cristina Megid, a preocupação é com os universitários que ainda não completaram 18 anos e mesmo assim têm acesso facilitado a bebidas alcoólicas. "É preocupante que isso esteja acontecendo. Os estabelecimentos comerciais não podem ser coniventes com isso", afirmou.

Segundo a diretora da vigilância, a megaoperação quer fechar o cerco contra esses estabelecimentos, mas o caráter é de promoção da saúde. "Estudos apontam que quanto mais os jovens começam a beber, maiores são as chances de dependência química no futuro", afirmou. As multas para estabelecimentos infratores podem ultrapassar R$ 100 mil e, em caso de reincidência, os locais podem ser interditados de 15 a 30 dias e até perder a inscrição no cadastro de contribuintes do ICMS.


Coma alcoólico. O estudante do último ano de Engenharia Elétrica, Humberto Fonseca entrou em coma alcoólica no último sábado após ter bebido, segundo a polícia, 25 doses de vodca em uma festa em Bauru. Outras três pessoas que participavam da "competição" foram internadas em coma alcoólica. Duas delas receberam alta. 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.