SP estuda volta do IGP-M no reajuste dos pedágios

O governo de São Paulo pode alterar o indexador a ser usado para o reajuste dos pedágios, em 1º de julho. O secretário de Logística e Transportes, Saulo de Castro Abreu Filho, disse ontem que o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) poderá voltar a definir o reajuste, em vez do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), escolhido em janeiro como o indexador de alteração de todos os 19 contratos de concessão rodoviária. "Estamos fazendo projeções de um e de outro. Vamos fazer um mix, ou uma compensação. Ou ainda aplicar o mais barato."

O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2012 | 03h03

Segundo ele, a pasta ainda está "em uma fase de negociação". Entre maio de 2011 e abril deste ano, o IPCA ficou acima (5,1%) do IGP-M (3,65%), contrariando tendência histórica.

Para o economista Francisco Carlos dos Santos, professor de Finanças da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a gestão Geraldo Alckmin (PSDB) não deveria recuar. "O IPCA é o índice oficial do governo. E haveria uma quebra de contrato." Ainda de acordo com Santos, no longo prazo, o IPCA provavelmente ficará abaixo do IGP-M. / CAIO DO VALLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.