SP de game tem morros, milícias e estádio no Butantã

Cheio de pedestre com camisa do Fluminense, Max Payne 3 mostra ex-detetive de NY atuando em sequestro de mulher de empresário

DENIZE GUEDES, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2012 | 03h18

Imagine uma São Paulo em que pedestres andam com a camisa do Fluminense, favelas lembram morros cariocas, milícias apavoram comunidades e policiais de elite encarnam o Capitão Nascimento, do filme Tropa de Elite. Essa "Sampario" é o cenário de um game que tem dado o que falar nas redes sociais.

Max Payne 3 mostra a continuação da saga do ex-detetive de mesmo nome do Departamento de Polícia de Nova York (NYPD). Enquanto as primeiras versões da série se passam nos Estados Unidos, na terceira Max aceita ser segurança de Rodrigo Branco, magnata do setor imobiliário local, e se mete em tiroteios e perseguições após a mulher de Branco ser sequestrada.

"Achei muito louco abraçarem o desafio de retratar uma cidade tão complexa. Mas não é um retrato tão fiel. É como se fosse uma mescla fictícia de São Paulo e Rio", diz o rapper Emicida, que compôs a canção 9 Círculos para o game (veja abaixo).

Em seu site, a produtora Rockstar diz que, "em uma série de viagens a São Paulo, desenvolvedores e o time de pesquisa estudaram altos e baixos da vida na cidade para dar subsídios a personagens, enredo e situações com os quais Max se depararia, com muita autenticidade".

Apesar de ter visitado a periferia e favelas da capital, como a "Japiaçu/Favela do Nove", perto da Avenida Doutor Gastão Vidigal, na zona oeste, a estética da fictícia Favela Nova Esperança tem toques de morros do Rio - há até uma favela chamada Vila do Beija-Flor.

"É difícil traduzir a realidade perfeitamente. A periferia de São Paulo não foi tão exposta como a do Rio. Lá fora, eles ainda estão muito impressionados com o filme Cidade de Deus", avalia o publicitário Ricardo Dias, de 22 anos, carioca que mudou para São Paulo em 2011 e tem um site de games.

Não à toa, a Rockstar vestiu o personagem com camisa de flores e araras e recomenda assistir à Tropa de Elite 1 e 2 para entrar no clima do game. "Eles tinham acabado de assistir aos dois filmes quando vieram pela primeira vez. Existe essa inspiração, mas baseado com o que aprenderam aqui", afirma o paulistano Pedro Falcão, de 25 anos, formado em Cinema e Vídeo Game.

Mix. Exemplo dessa mescla deliberada é a fictícia Unidade de Forças Especiais (UFE), inspirada no Batalhão de Operações Especiais (Bope) do Rio, mas também no Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), no Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e no Grupamento de Operações Especiais (Goe). "Grande cuidado foi tomado para obter dados dos uniformes, equipamentos e armamentos dessas polícias brasileiras", conta a produtora no site.

Já o Comando Sombra, o CS, cuja ficha da UFE informa em português ter sido formado por presidiários nos anos 1990 e estar envolvido em mais de 450 mortes de policiais desde 2005, assemelha-se com o Primeiro Comando da Capital (PCC). Em paralelo, porém, atua uma milícia, grupo paramilitar característico do Rio. A Crachá Preto é "composta por policiais fora de serviço, ex-policiais, militares e agentes carcerários e bombeiros", diz a UFE.

Na Favela Nova Esperança, há pichações no estilo das que são vistas nas ruas da capital e gírias da periferia, como "mano", "velho" e "vacilão". Mas Dias até notou "aqui e ali" um pouco de sotaque do Rio em dubladores.

Acertos. Não faltam, porém, momentos em que Max Payne 3 acerta a mão. "O Club Moderno (onde há o sequestro da mulher do magnata) lembra a D-Edge, na Barra Funda. E em uma cena com traficantes aparece até o oxi (substrato do crack)", comenta Falcão.

"Documentamos tudo, do glamour e da exclusividade de áreas elegantes, como a Avenida Morumbi, os Jardins e a Avenida Paulista, até locais de alta criminalidade, como a Favela Japiaçu e o Edifício São Vito, o Treme Treme ou Favela Vertical (demolido em 2011)", conta a produtora no site.

Ainda foi criado o Galatians FC, inspirado no Corinthians. Galatians, em inglês, vem do livro bíblico Gálatas, enquanto o nome do time do Parque São Jorge é baseado na Carta de São Paulo aos Coríntios. Só que, em vez de em Itaquera, zona leste, colocaram o estádio no Butantã, zona oeste...

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.