Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

SP começa a testar semáforos com medidor de tempo

Uso de equipamentos semelhantes em esquinas de São Carlos e Piracicaba fez número de batidas e atropelamentos cair até 35 %

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2011 | 00h00

Doze semáforos que indicam quanto tempo ficam abertos e fechados estão sendo testados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) desde a semana passada. O objetivo da Prefeitura é verificar se os aparelhos podem ajudar a reduzir o número de acidentes de trânsito na capital.

O uso de equipamentos semelhantes em esquinas de São Carlos e Piracicaba, no interior paulista, fez a quantidade de batidas e atropelamentos cair. Chamados tecnicamente de "semáforos com grupos focais regressivos", os aparelhos funcionam de um jeito parecido com os faróis que organizam a largada da Fórmula 1. Além das três lâmpadas tradicionais, eles têm cinco luzes vermelhas e cinco verdes de tamanho menor nas laterais.

As lâmpadas verdes vão apagando, uma a uma, conforme o semáforo está perto de fechar. A CET informou que os 12 cruzamentos foram escolhidos pela "incidência de acidentes". Além do semáforo, foram instalados radares de invasão de faixa de pedestres e de passagem no semáforo vermelho. Em nota, a CET disse que os aparelhos "possibilitam maior segurança" e, nos locais escolhidos, "não é recomendável a utilização do "amarelo piscante" durante a madrugada, pelo volume de veículos".

O tráfego é um dos pontos que devem ser analisados para justificar a instalação desse tipo de semáforo, segundo o engenheiro José Mário de Andrade, diretor da Perkons, empresa de tecnologia de trânsito. "O uso do temporizador precisa ser considerado caso a caso. Quando apresentamos ao motorista mais um display com números decrescentes, pedimos que ele processe mais uma informação. Isso pode implicar déficit de atenção aos outros componentes do trânsito", diz Andrade.

Já o professor de Engenharia Civil da USP de São Carlos Antônio Clovis Pinto Ferraz tem provas de que os medidores de tempo em semáforos podem aumentar a segurança. No início do ano, ele orientou a pesquisa que concluiu que os acidentes em cruzamentos de São Carlos e Piracicaba, onde os semáforos foram instalados, caíram 35% e 34%, respectivamente. "Muita gente achava que os motoristas iam acelerar mais quando vissem que o farol estava perto de fechar. Notamos que isso não aconteceu", afirma. "A primeira explicação para a redução nos acidentes é o tamanho do semáforo, que fica maior e mais visível por causa dos contadores."

Diadema e São Caetano. A pesquisa utilizou tanto equipamentos com lâmpadas que apagam sucessivamente quanto aqueles equipados com relógios regressivos. Não houve diferença entre os resultados, diz Ferraz. Semáforos com contagem regressiva são usados há cerca de dez anos em Diadema, na Grande São Paulo, onde existem 50 aparelhos do tipo, e na vizinha São Caetano do Sul, que tem 52, há seis anos.

 

ONDE ESTÃO

Av. dos Bandeirantes com R. Funchal, com Av. Miruna e com Al. dos Maracatins

Av. Sumaré com Dr. Homem de Melo e com R. Vanderlei

Av. Corifeu de Azevedo Marques com Av. Escola Politécnica

R. Pedro de Toledo com R. Napoleão de Barros

Av. das Nações Unidas com R. Guriú

R. Turiassu com Av. Pompeia Av. Guilherme Cotching com R. Alcântara

Av. Diógenes Ribeiro de Lima com R. Elisa de Morais Mendes

Av. Dª Belmira Marin com R. Dr. Oscar Andrade Lemos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.