Sorocaba volta a decretar emergência no lixo

Decreto permite contratação emergencial caso greve de coletores prevista para esta quinta se confirme

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

01 Maio 2013 | 13h58

SOROCABA - A prefeitura de Sorocaba, a 92 km de São Paulo, decretou estado de emergência em razão do risco de suspensão da coleta de lixo na cidade pela greve dos coletores prevista para esta quinta-feira, 2. O decreto, assinado na noite de terça-feira, 30, pelo prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB), possibilita a contratação emergencial de outra empresa de coleta, caso a greve se confirme. O objetivo, segundo ele, é impedir que, numa possível paralisação, o lixo fique acumulado nas ruas e vire criadouro de mosquitos da dengue. A cidade teve 453 casos confirmados da doença este ano e está à beira de uma epidemia.

A greve foi decretada por falta de retorno da empresa para a proposta salarial dos coletores, que reivindicam reajuste de 16,5% no salário e aumento no valor do vale-refeição de R$ 16 para R$ 19 por dia. A empresa Gomes Lourenço informou que negocia com os trabalhadores para evitar a paralisação. É a segunda vez este ano que a prefeitura decreta situação de emergência no lixo. No início de março, os coletores pararam por atraso no pagamento, mas retomaram a coleta no mesmo dia, após um acordo com a empresa. Sorocaba produz cerca de 500 toneladas de lixo por dia.

Mais conteúdo sobre:
Sorocaba coleta de lixo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.