Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Sobre pane no Metrô, secretário diz que 'safados' não podem fazer o que querem

Jurandir Fernandes afirmou ainda não saber se equipamentos de emergência são para uso do público

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2014 | 16h58

SÃO PAULO - O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, afirmou nesta quarta-feira, 12, que "não sabe" se os botões de emergência localizados nas plataformas das estações do Metrô de São Paulo são para uso do público. Esses dispositivos, segundo ele, foram os responsáveis por paralisar o sistema no último dia 4, provocando caos na Linha 3-Vermelha. O dirigente também criticou o uso dos botões pelos passageiros e falou que não é pelo fato de estarem visíveis "que qualquer safado pode fazer o que quer". Os botões ficam nas plataformas das estações.

As declarações foram feitas por Fernandes após a inauguração da Estação Adolfo Pinheiro, na Linha 5-Lilás, na zona sul da capital paulista. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) o acompanhou no evento.

"No dia do evento (paralisação do Metrô), foram acionados três botões de plataforma num intervalo de 15 ou 16 minutos, nas Estações Marechal (Deodoro), Anhangabaú e Santa Cecília. Há indícios de que alguma coisa aconteceu ali. Nem mesmo os que usam o Metrô normalmente, como eu e vocês, sabem da existência desses botões", disse Fernandes. O dirigente declarou que os botões são ligados à gerência de segurança da empresa, controlada pelo governo do Estado.

Ainda de acordo com ele, orientações da polícia sugerem uma posição melhor para os botões de emergência das plataformas, para que eles sejam somente conhecidos e acessados pela equipe de segurança do Metrô.

Indagado sobre a facilidade de se encontrar esses botões atualmente - e que isso poderia induzir os passageiros a achar que podem usá-los -, Fernandes disse: "Ninguém falou que é difícil (localizar esses botões). Mas não é pelo fato de ser difícil ou fácil que qualquer safado pode fazer o que quer, não é verdade? Se é fácil, então dá direito de o cara fazer uma malandragem? Não é isso."

O secretário foi perguntado se, afinal, os botões eram para uso do público em geral. "Não sei. Você já usou, alguém já usou? Não!", respondeu à imprensa.

Aprendizado. Jurandir Fernandes ainda afirmou que o Metrô está "aprendendo" sobre o uso adequado dos botões e que há diversos modelos do aparelho instalados nas linhas da rede. Um deles tem uma tampa de metal que, segundo o secretário, dificulta o seu acionamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.