Só falta esclarecer as intenções do escritório francês

Bastidores: Andrei Netto

O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2012 | 03h02

As causas da queda do voo AF-447, Rio-Paris, em 31 de maio de 2009, são agora conhecidas. Mas ainda paira uma dúvida: por que o BEA foi tão pouco transparente em todo o processo?

A apresentação do documento começou pela manhã, quando os experts reuniram as famílias de vítimas e evocaram sua principal conclusão: os pilotos só obedeceram as ordens dadas pelos sistemas de navegação. À tarde, falando para a imprensa francesa e internacional, o discurso dos peritos foi outro, bem mais centrado nas falhas dos pilotos.

Aos jornalistas, foi entregue uma síntese de cinco páginas. Aí, havia frases taxativas culpando os pilotos. E levavam os jornalistas a crer que a culpa do acidente era dos pilotos. Apenas uma vez, em cinco páginas, o BEA dizia que um equipamento do Airbus, o "diretor de voo", tinha fornecido informações erradas. Então, em meio à entrevista coletiva, um piloto e perito independente, Gérard Arnoux, pediu a palavra e fez cinco perguntas técnicas objetivas, sobre falhas dos equipamentos do Airbus. A intervenção provocou um evidente mal-estar entre os peritos do BEA. Logo depois, parentes de vítimas questionaram por que o BEA estava dando à imprensa uma versão diferente.

Houve novo mal-estar. E aí os técnicos do BEA, encurralados, passaram a admitir a importância das falhas do Airbus. Também reconheceram que o treinamento fornecido pela Air France aos pilotos que enfrentam situações de crise era insuficiente e deram a entender que as agências de aviação civil da França e da Europa demoraram a reconhecer a importância de incidentes anteriores similares.

Qual era o objetivo do BEA com seu duplo discurso? Talvez isso se explique pelo eterno conflito de interesses na França, onde tudo pertence ao Estado: o fabricante dos Pitots (Thales), o fabricante do avião (Airbus), a companhia aérea (Air France) e o BEA. Além do nítido conflito de interesses, há uma clara falta de autonomia. Só não vê quem não quer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.