'Só escutei o barulho e um grito. Saímos correndo'

Três das cinco casas atingidas pelo helicóptero tinham moradores dentro - em duas delas, crianças. As pessoas estavam fazendo atividades rotineiras, como preparando o almoço ou jogando videogame, quando o teto desmoronou sobre eles.

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2013 | 02h02

"Eu estava no banheiro, no fundo de casa, com minha irmã e uma vizinha, que estavam na cozinha, e minha sobrinha, no quarto, no segundo andar. Só ouvi o barulho. Então, minha sobrinha gritou: 'É um helicóptero! Saímos correndo", conta Josiel Gomes da Silva, de 27 anos.

Um menino de 10 anos estava sozinho, no computador, na casa ao lado. "Tinha acabado de falar com ele, depois de almoçar, e estava descansando quando ele me ligou, desesperado", conta o pai da criança, o pedreiro Natalino José Ferreira, de 52 anos. "A mãe dele, costureira, trabalha de manhã e ele fica sozinho. Corri para casa mas, no caminho, soube que ele estava bem."

Até o início da noite, a Prefeitura não havia procurado os donos das casas interditadas, segundo os moradores. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.