Só 5 dos 93 distritos não têm homicídio no ano

Cinco distritos policiais de São Paulo não registraram homicídios neste ano: Liberdade, no centro; Casa Verde, na zona norte; e Paulista, Jardim Taboão e Monções, na zona sul. No ano passado, esses bairros da capital haviam registrado, juntos, 17 casos de janeiro a julho.

O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2012 | 03h05

A maior diferença acontece no Jardim Taboão, que teve oito assassinatos nos primeiros sete meses de 2011. O bairro fica do lado do Parque Santo Antônio, campeão em número de homicídios, com 31 ocorrências.

Em julho deste ano, a região mais violenta foi o Jaçanã, na zona norte. O DP registrou, no mês passado, nove de seus 25 homicídios do ano. No ano passado, o distrito era um dos quatro que não haviam registrado homicídios até julho. No acumulado dos sete primeiros meses, eram 15 casos, o que representa um aumento de 66,7% neste ano. No mesmo período, o furto e o roubo de veículos no bairro aumentaram 18,9% e 14,6%.

Concentração. Mesmo com a queda no total de homicídios na capital, os dados da Secretaria de Segurança Pública mostram que, dos 93 distritos policiais da cidade, 47 tiveram mais assassinatos neste ano.

A melhora no índice de criminalidade ficou restrita a 32 regiões, a maioria da periferia. Só cinco DPs dentro do centro expandido tiveram diminuição no índice de homicídios (Jardim Paulista, Consolação, Paulista, Santa Ifigênia e Liberdade).

Entre os roubos (incluindo nessa conta o de veículos), a melhora também foi concentrada, desta vez em 28 distritos policiais. Assim como nos homicídios, a maioria das quedas foi registrada na periferia e só cinco regiões do centro melhoraram de situação em comparação com os sete primeiros meses do ano passado (Lapa, Pinheiros, Perdizes, Santa Ifigênia e Santa Cecília). / B.P.M. e D.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.