Só 2% revertem multa da água em SP

Só 2% revertem multa da água em SP

Dados da Sabesp mostram que cerca de 10 mil clientes, entre os 450 mil autuados, conseguiram justificar o aumento de consumo

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

16 Maio 2015 | 03h00

Apenas 2% dos 450 mil clientes multados pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) em abril por aumento no consumo de água conseguiram justificar o gasto acima da média e reverter a sobretaxa na conta.

Segundo a companhia, cerca de 10 mil clientes foram a uma de suas 64 agências na Grande São Paulo e provaram que o consumo de água subiu porque houve mudança de imóvel, ampliação do comércio ou porque a família cresceu, por exemplo.

O balanço de abril mostra que, ao todo, 18% dos consumidores na região metropolitana gastaram mais água do que antes da crise e 11% foram sobretaxados em até 50% o valor da fatura. Os outros 7% ficaram isentos da multa porque consumiram menos de 10 mil litros no mês.


A sobretaxa entrou em vigor no dia 8 de janeiro deste ano como última alternativa da Sabesp para estimular a economia de água espontânea e, até março, rendeu R$ 79,3 milhões, segundo balanço financeiro do primeiro trimestre, divulgado anteontem. Por determinação da agência reguladora do setor, que autorizou a multa, o valor deve ficar em uma conta específica e ser destinado para ações de enfrentamento da crise.

Um dos clientes da Sabesp multados foi o aposentado Valter Del Bigio, de 84 anos, que mora com a mulher, filho e netos em uma casa na Lapa, zona oeste paulistana. “Deram uma relaxada neste mês, demoraram mais no banho, lavaram mais roupa, e a conta subiu de R$ 211 para R$ 475 por causa da multa”, disse ele, ciente de que não há como recorrer da sobretaxa neste caso.

Informação. Para Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Associação de Consumidores Proteste, o índice dos clientes que conseguiram justificar a alta do consumo poderia ser maior se a comunicação fosse melhor. “A comunicação continua falha. As pessoas ainda não entenderam que têm de ir atrás, até uma agência, para recorrer da multa. Dá trabalho.”

A família da administradora Márcia Maria Martins, de 43 anos, chegou a ir três vezes a uma agência da Sabesp para contestar uma conta no valor de R$ 464,39 com sobretaxa em abril. “Nosso problema era que a meta de consumo era muito baixo porque ficamos um tempo em outra cidade no período. Foi difícil, mas conseguimos aumentar a meta e reduzir o valor da conta, mas a multa ficou.”

Segundo a gerente de Relacionamento com os Clientes da Sabesp, Samanta Souza, todos os consumidores que conseguem justificar o aumento do gasto com água têm revertido a sobretaxa. Ela destaca que uma parcela da população continua gastando mais água por opção e que o objetivo da multa não é arrecadatório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.